Sindicatos médico rompem negociações com a Tutela

por Teresa Mendes | foto de "DR" https://www.simedicos.pt | 10.07.2019

SIM e Fnam vão «renovar o apelo à intervenção do primeiro-ministro» 
Os sindicatos médicos romperam as negociações com o Ministério da Saúde.

Num comunicado conjunto, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (Fnam) dizem a Marta Temido que «não estão dispostos a continuarem a dar balões de oxigénio a este Ministério». 

Esta foi uma decisão tomada após reunião, esta terça-feira, com a ministra da saúde, e depois de na semana passada terem realizado dois dias de greve nacional.

«Das mais de 30 questões que os sindicatos têm colocado à discussão, para negociação e aplicação a curto, médio e longo prazo, umas de modo imediato e a maioria de modo faseado, todas elas constantes dos pré-aviso de greve sindical, temos dificuldade em encontrar as que foram completamente resolvidas», lamentam os sindicatos, considerando que esta postura do Governo da República e do Ministério da Saúde «não é honesta».

Os sindicatos médicos romperam as negociações com o Ministério da Saúde. Num comunicado conjunto, o Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional dos Médicos dizem a Marta Temido que «não estão dispostos a continuarem a dar balões de oxigénio a este Ministério» 

«Esta postura desrespeita os médicos e os doentes portugueses, e os sindicatos médicos não podem continuar a pactuar com simulacros e manobras publicitárias de pré-campanha eleitoral», acrescenta a nota à Imprensa.

Entretanto, em declarações à agência Lusa, o secretário-geral do SIM, Roque da Cunha, informou que vão «renovar o apelo à intervenção do primeiro-ministro».

À saída da reunião, a ministra da Saúde afirmou a disponibilidade do Ministério para continuar a negociar com os sindicatos, rejeitando a ideia de que se trata de propaganda ou uma farsa.

Marta Temido disse que ainda havia «pontos em cima da mesa» para discutir e reiterou a disponibilidade para um consenso, que considerou «distinto de uma parte fazer prevalecer a sua opinião».

19tm28i
10 de Julho de 2019
1928Pub4f19tm28i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.09.2019

 Melhoria do SNS «cabe a todos»

Melhorar a qualidade de acesso, motivar os profissionais e aumentar a sua produtividade e reforçar o...

18.09.2019

Falta de medicamentos: Doentes alertam para «realidade assustadora»

Setenta associações de doentes enviaram uma carta ao Infarmed a alertar para a «realidade assustador...

por Teresa Mendes | 18.09.2019

 Curso de Atualização em Medicina Interna 2019 decorre de 18 a 23 de novemb...

Estão abertas as inscrições para o 2.º Curso de Atualização em Medicina Interna 2019, uma iniciativa...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Pelo menos 5 pessoas morrem a cada minuto devido a erros clínicos

No dia em que celebra o primeiro Dia Mundial para a Segurança do Doente (17 de setembro), a Organiza...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Só os neurónios mais viáveis sobrevivem no desenvolvimento do sistema nervo...

Ao contrário do pensado, não é o acaso que determina quais as células que irão formar o sistema nerv...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Pela primeira vez em seis meses, a dívida à Indústria Farmacêutica diminuiu

Pela primeira vez em seis meses, o valor da dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS)...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.