Excesso de peso e obesidade infantil diminuíram mais de 20% numa década

por Teresa Mendes | 11.07.2019

Dados preliminares da 5.ª fase do COSI Portugal  
 O excesso de peso e obesidade infantil caíram mais de 20% numa década, atingindo os objetivos da Organização Mundial de Saúde (OMS), segundo os dados preliminares da 5.ª fase do COSI Portugal (Sistema de Vigilância Nutricional Infantil do Ministério da Saúde), apresentado esta quarta-feira, em Lisboa.

De acordo com este sistema de vigilância nutricional das crianças em idade escolar (dos seis aos oito anos), coordenado pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (Insa), de 2008 para 2019 a prevalência de excesso de peso infantil diminuiu de 37,9% para 29,6% e a obesidade de 15,3% para 12,0%, o que representa, nos dois indicadores, reduções de mais de 20%.

Todas as regiões portuguesas mostraram ao longo dos anos uma redução na prevalência de excesso de peso, incluindo obesidade, mas como salienta o relatório, a queda foi mais acentuada nos Açores (de 46% para 35,9%) e na região Centro (de 38,1% para 28,9%).

«Com a evolução e o trabalho desenvolvido ao longo de anos, o nosso País cumpre o desafio lançado em 2006, na Conferência Interministerial da OMS em que Portugal assinou a Carta Europeia da Luta contra a Obesidade, uma vez que consegue, não só travar o crescimento desta epidemia nas crianças, como inverter a tendência crescente», salienta a Direção-Geral da Saúde num comunicado.

Apesar dos números positivos, a prevalência da obesidade infantil continua a ser uma preocupação, com o documento a demonstrar que a mesma aumentou com a idade, existindo atualmente 15,3% das crianças de oito anos obesas, incluindo 5,4% com obesidade severa, um valor que é de 10,8% nas crianças de seis anos (2,7% obesidade severa).

O excesso de peso e obesidade infantil caíram mais de 20% numa década, atingindo os objetivos da Organização Mundial de Saúde (OMS), segundo os dados preliminares da 5.ª fase do COSI Portugal (Sistema de Vigilância Nutricional Infantil do Ministério da Saúde) 

Presente na sessão de apresentação dos dados, a secretária de Estado da Saúde, Raquel Duarte, congratulou-se com os resultados, mas avisou que é preciso olhar para as ameaças e não «descansar sobre os louros».

«São boas notícias, mas é preciso olhar para ameaças como as assimetrias regionais e o aumento da prevalência com a idade, por exemplo.
Temos excelentes resultados, mas é preciso não descansar sobre os louros», alertou Raquel Duarte.

A governante chamou ainda a atenção para os últimos dados relativos aos hábitos alimentares em Portugal, que indicam que 40% dos adolescentes bebe refrigerantes diariamente, mais de metade tem um consumo de hortofrutícolas abaixo do recomendável e mais de 20% consome açúcar acima dos níveis recomendados.

A Região do Algarve foi a que apresentou menor prevalência de excesso de peso infantil (21,8%) e os Açores a maior (35,9%). Já a Região do Alentejo foi a que mostrou menor prevalência de obesidade infantil (9,7%).

Segundo a informação recolhida, são os rapazes os que mais se desviam do peso normal. O excesso de peso atinge 29,6% dos meninos (contra 29,5% das meninas), dos quais 13,4% são obesos e, destes, 4,1% têm obesidade severa.

Coordenado por Ana Rito, investigadora do Departamento de Alimentação e Nutrição do Insa, o COSI Portugal 2019 revela também que a prevalência de baixo peso foi igualmente maior nos rapazes (1,6%) comparativamente com as raparigas (0,9%).

O relatório pode ser consultado aqui.

19tm28m
11 de Julho de 2019
1928Pub5f19tm28m

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.09.2019

 Melhoria do SNS «cabe a todos»

Melhorar a qualidade de acesso, motivar os profissionais e aumentar a sua produtividade e reforçar o...

18.09.2019

Falta de medicamentos: Doentes alertam para «realidade assustadora»

Setenta associações de doentes enviaram uma carta ao Infarmed a alertar para a «realidade assustador...

por Teresa Mendes | 18.09.2019

 Curso de Atualização em Medicina Interna 2019 decorre de 18 a 23 de novemb...

Estão abertas as inscrições para o 2.º Curso de Atualização em Medicina Interna 2019, uma iniciativa...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Afinal, é a lei que limita fármacos inovadores a não ser perante risco imed...

Afinal, é a própria lei que limita as autorizações excepcionais para ter acesso aos fármacos inovado...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Pelo menos 5 pessoas morrem a cada minuto devido a erros clínicos

No dia em que celebra o primeiro Dia Mundial para a Segurança do Doente (17 de setembro), a Organiza...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Pela primeira vez em seis meses, a dívida à Indústria Farmacêutica diminuiu

Pela primeira vez em seis meses, o valor da dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS)...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.