Saúde Mental é o «parente pobre da saúde em Portugal»

por Teresa Mendes | 12.07.2019

Relatório denuncia «baixa autonomia e capacidade de decisão»
O Relatório de Primavera 2019, do Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS), considera que a Saúde Mental é o «parente pobre da saúde em Portugal», destacando o facto de esta área «sempre ter permanecido atrasada em comparação com a evolução da psiquiatria europeia, no que diz respeito ao diagnóstico, tratamento e acompanhamento da doença mental».

De acordo com a equipa que redigiu o documento, constituída por investigadores e académicos, o mesmo tem acontecido com a aplicação das recomendações internacionais (nomeadamente o modelo da comunidade) «que nunca foram conseguidas de forma rápida e completa, fruto da uma orientação política sempre sustentada em preocupações de cariz economicista, que não confere dignidade a estes cidadãos». 

Da mesma forma, «a importante função de cuidadores, que normalmente recai sobre as famílias, não é devidamente reconhecida, exigindo-lhes esforços suplementares económicos, físicos e mentais apesar de, para o Estado, as famílias representam um importante recurso económico», lê-se no relatório.
 
Nesse sentido, é defendida a necessidade de «um compromisso transversal que assegure um investimento sustentável nesta área da Saúde e que permita dotar o SNS das ferramentas que precisa para que os objetivos de melhoria contínua na saúde mental possam ser atingidos». 

O Relatório de Primavera 2019, do Observatório Português dos Sistemas de Saúde, considera que a Saúde Mental é o «parente pobre da saúde em Portugal», destacando o facto de esta área «sempre ter permanecido atrasada em comparação com a evolução da psiquiatria europeia, no que diz respeito ao diagnóstico, tratamento e acompanhamento da doença mental» 

Um dos entraves para o desenvolvimento nesta área tem sido «a baixa autonomia e capacidade de decisão dos responsáveis pela implementação do Plano Nacional de Saúde Mental e dos centros de decisão locais, que compromete a melhoria dos cuidados na comunidade, a ausência de coordenação e a grande concentração de recursos humanos apenas nos hospitais centrais e a inadequação dos modelos de financiamento e gestão».
A estes, «juntam-se os problemas na articulação com os cuidados de saúde primários, com as administrações regionais de saúde e com a Rede de Cuidados Continuados Integrados de Saúde Mental», conclui o documento. 

O capítulo do documento sobre as Políticas de Saúde Mental debruçou-se também sobre a escassez de psicólogos no SNS, partindo da avaliação da Organização Mundial de Saúde (OMS), que considera que «uma das fraquezas nas reformas portuguesas de saúde mental está associada à escassez e à baixa qualificação dos recursos humanos nos serviços de saúde mental, assente essencialmente no tratamento farmacológico, e apresentando componentes psicossociais pobres».

Ainda neste capítulo, foi feita uma breve análise sobre o consumo de psicofármacos. Segundo os autores, «Portugal ocupa o primeiro lugar comparativamente a todos os outros países da OCDE, no ano de 2017», considerando que «esta é uma questão que deve merecer a atenção dos decisores pelos impactos presentes e futuros que pode representar a nível de saúde individual e de impactos financeiros e das tendências mais recentes revelarem um consumo crescente».

O Relatório de Primavera pode ser lido na íntegra aqui.

19tm28s
12 de Julho de 2019
1928Pub6f19tm28s

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

06.12.2019

Chefes de cirurgia de Faro recusam fazer urgências a partir de 1 de janeiro

A partir de 1 de janeiro de 2020, os chefes de equipa de Cirurgia do Hospital de Faro vão deixar de...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 Sarampo matou mais de 140 mil pessoas no mundo em 2018

Em 2018, o sarampo foi responsável pela morte de mais de 140.000 pessoas, segundo novas estimativas...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros»

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros, nomeadamente tabaco aquecido. Apre...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

ADSE passa a ser tutelada pelo Ministério da Administração Pública

A ADSE já não é da tutela do Ministério da Saúde. Segundo o regime da organização e funcionamento do...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

 Reduzir o colesterol mais cedo pode diminuir risco cardiovascular mais tar...

Reduzir os níveis de colesterol com medicamentos em pessoas com menos de 45 anos pode reduzir o risc...

por Teresa Mendes | 04.12.2019

Esperança de vida em Portugal é maior do que na média dos países da EU

A esperança de vida em Portugal «aumentou substancialmente na última década», nomeadamente com a red...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.