Portugal vai ter uma nova Roda dos Alimentos

15.07.2019

Medida consta do relatório PNPAS apresentado hoje em Lisboa
Até ao final de 2020 a Roda dos Alimentos vai ser revista. A medida consta do relatório de 2019 do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS), que prevê também um sistema de rotulagem uniforme e mais fácil de entender.

O documento, ao qual a agência Lusa teve acesso e que será apresentado hoje no Porto, destaca que a Roda dos Alimentos para a população portuguesa foi desenvolvida em 2003 e «precisa de ser revista», tendo os técnicos assumido tal tarefa no plano de ação para 2019/2020.

Por outro lado, os autores do relatório salientam que a utilização de rotulagem nutricional simples e clara na parte da frente das embalagens dos produtos alimentares «deve ser considerada como uma importante medida a implementar no âmbito das estratégias para promover uma alimentação saudável», recordando que Portugal «não apresenta ainda um modelo harmonizado de rotulagem nutricional de caráter interpretativo».

A Organização Mundial da Saúde tem realçado - nos seus planos de ação na área da nutrição e na área da prevenção das doenças crónicas - a importância de melhorar os modelos de rotulagem nutricional refere o documento, que sublinha o trabalho que tem sido desenvolvido no âmbito do PNPAS, com a realização de alguns estudos que ajudem os técnicos na elaboração de um modelo uniforme para a rotulagem dos alimentos fácil de interpretar.

Até ao final de 2020 a Roda dos Alimentos vai ser revista. A medida consta do relatório de 2019 do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS), que prevê também um sistema de rotulagem uniforme e mais fácil de entender

«Atualmente, sabe-se que 40% da população portuguesa não consegue compreender a informação nutricional presente nos rótulos dos alimentos», notam os autores, reconhecendo que existe ainda «pouca evidência» sobre o modelo de rotulagem nutricional mais ajustado às características da população portuguesa.

O relatório de 2019 faz igualmente um diagnóstico da situação atual, recordando que os hábitos alimentares inadequados são um dos principais determinantes da perda de anos de vida saudável pelos portugueses e que «o baixo consumo de cereais integrais, fruta e frutos oleaginosos são os principais fatores que contribuem para a perda de anos de vida saudável».

19tm29b
15 de Julho de 2019
1929Pub2f19tm29b

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 EPE estavam em falência técnica no ano passado

Em 2018, metade dos hospitais EPE do país encontrava-se em falência técnica, segundo uma análise do...

06.12.2019

Chefes de cirurgia de Faro recusam fazer urgências a partir de 1 de janeiro

A partir de 1 de janeiro de 2020, os chefes de equipa de Cirurgia do Hospital de Faro vão deixar de...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 Sarampo matou mais de 140 mil pessoas no mundo em 2018

Em 2018, o sarampo foi responsável pela morte de mais de 140.000 pessoas, segundo novas estimativas...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

ADSE passa a ser tutelada pelo Ministério da Administração Pública

A ADSE já não é da tutela do Ministério da Saúde. Segundo o regime da organização e funcionamento do...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

 Reduzir o colesterol mais cedo pode diminuir risco cardiovascular mais tar...

Reduzir os níveis de colesterol com medicamentos em pessoas com menos de 45 anos pode reduzir o risc...

por Teresa Mendes | 04.12.2019

Esperança de vida em Portugal é maior do que na média dos países da EU

A esperança de vida em Portugal «aumentou substancialmente na última década», nomeadamente com a red...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.