INEM: É «urgente» ter mais médicos e mais qualificados 

por Teresa Mendes | 25.07.2019

«Ministério da Saúde persiste na aposta nos prestadores de serviço», lamenta SIM
O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denuncia que o número de médicos escalados pelo CODU «é manifestamente insuficiente para se poder desempenhar em condições de segurança um trabalho que é de elevada responsabilidade, exigência e pressão constante».

Num comunicado divulgado esta quarta-feira, aquela estrutura sindical alerta para a «desorganização e incapacidade de resposta, dada a falta de recursos humanos», situação esta que «tem sido recorrentemente denunciada pelos médicos do INEM», recordando que enviou há mais de três anos uma proposta para se apostar na carreira médica com um quadro de médicos altamente especializados e dedicados, mas que em resposta, «o Ministério da Saúde persiste na aposta nos prestadores de serviço, recusa a contratação coletiva e insiste na precariedade e na desresponsabilização».

«Mais de quatro horas para aceder a cuidados hospitalares urgentes do ferido com queimaduras graves do incêndio de Vila do Rei é inadmissível», concretiza o SIM, considerando que «nestas condições, a probabilidade de erro nas decisões médicas tomadas é consideravelmente mais elevado com todas as consequências que daí podem advir quer para os doentes, quer para os profissionais médicos em causa».

«É inexplicável a demora no socorro pré-hospitalar perante a gravidade deste tipo de situação, agravada com a garantia nos briefings da autoridade de proteção civil a afirmar que tudo está bem.
Podem mesmo considerar-se como pequenos milagres as dezenas de vidas salvas todos os dias, pelos médicos nestas condições de trabalho, com uma rede de suporte tão limitada», lê-se na nota à Imprensa. 

«É inexplicável a demora no socorro pré-hospitalar perante a gravidade deste tipo de situação. Podem mesmo considerar-se como pequenos milagres as dezenas de vidas salvas todos os dias, pelos médicos nestas condições de trabalho, com uma rede de suporte tão limitada», alerta o SIM

De acordo com o sindicato, esta situação é recorrente, tem sido reportada várias vezes por médicos, «mas infelizmente não se tem conseguido uma resposta de um Governo mais preocupado com inaugurações do que encontrar soluções para o País».

O SIM, que já enviou um ofício sobre o assunto para o Ministério da Saúde, termina o comunicado exigindo «responsabilidade e investimento no INEM e não foguetório e propaganda!!!»

19tm30o
25 de Julho de 2019
1930Pub5f19tm30o

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Premium Cataract Surgery 2020» debate técnicas cirúrgicas inovadoras

A Universidade do Minho organiza, no próximo dia 18 de janeiro de 2020, a conferência «Premium Catar...

13.12.2019

 Tecnologia criada no Porto ajuda médicos a identificar nódulos pulmonares

Investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TE...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 Marta Temido anuncia reforço de 800 milhões de euros para a Saúde em 2020

Foram várias as entidades que se congratularam publicamente pelo reforço de verbas para o Serviço Na...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

55% dos doentes com doença crónica tem baixos níveis de literacia em saúde

«55% da população com doença crónica tem níveis inadequados de literacia em saúde», uma situação que...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

Lançado Instituto Virtual de Fibromialgia

Foi lançado o Instituto Virtual de Fibromialgia, MyFibromyalgia®, uma ferramenta de intervenção clín...

por Teresa Mendes | 11.12.2019

 Secretário de Estado louva o que de «bom, ótimo e excelente» se faz no HSM

No 65.º aniversário do Hospital de Santa Maria (HSM), o secretário de Estado da Saúde elogiou o que...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.