Tratamento compulsivo de pessoas com doença mental só «em condições de excepção»

por Teresa Mendes | 30.07.2019

CNECV publica parecer e apela ao Estado para divulgar critérios

O Conselho Nacional de Ética e Ciências da Vida (CNECV) considera que o tratamento compulsivo de pessoas com doença mental apenas poderá ser exercido de forma legítima por outrem «em condições de excepção», nomeadamente quando a «situação clínica pode colocar em risco a vida do doente e causar danos a terceiros (familiares, cuidadores, comunidade) e bens».

Num parecer publicado esta segunda-feira, o CNEV salienta que «a autonomia constitui uma das expressões da dignidade da pessoa, de onde decorrem direitos fundamentais», reconhecendo contudo que nas situações em que a autonomia está comprometida, «as decisões em saúde ser assumidas por terceiros, no melhor interesse e para bem da pessoa que não manifesta capacidade para exprimir a sua vontade autonomamente, sem quaisquer condicionamentos».

De entre as situações em que a autonomia se encontra comprometida, «devem reconhecer-se as formas de doença mental, cuja situação clínica pode colocar em risco a vida do doente e causar danos a terceiros (familiares, cuidadores, comunidade) e bens», especifica o documento 

De entre as situações em que a autonomia se encontra comprometida, «devem reconhecer-se as formas de doença mental, cuja situação clínica pode colocar em risco a vida do doente e causar danos a terceiros (familiares, cuidadores, comunidade) e bens», especifica o documento. 

«Nessas circunstâncias excecionais, considera-se que não há objeção ética em aceitar, em nome do melhor interesse da pessoa doente e da salvaguarda de terceiros, a prescrição de tratamentos e de medidas que, no limite, podem considerar a sua contenção, sob controlo judicial, reconhecendo-se-lhes valor ético beneficente», conclui o CNECV. 

No parecer, o Conselho defende ainda que na defesa do melhor bem da pessoa com doença mental, «o Estado deve publicar normas de boas práticas, promover a formação dos profissionais e divulgar as circunstâncias em que o tratamento compulsivo e justificado, os seus propósitos e os critérios da sua aplicação».

O parecer pode ser lido na íntegra aqui

19tm31h
30 de Julho de 2019
1931Pub3f19tm31h

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 11.12.2019

 Secretário de Estado louva o que de «bom, ótimo e excelente» se faz no HSM

No 65.º aniversário do Hospital de Santa Maria (HSM), o secretário de Estado da Saúde elogiou o que...

11.12.2019

Médicos e administradores defendem estratégia nacional para a Medicina de P...

Portugal precisa de uma estratégia nacional para a Medicina de Precisão, defendem administradores ho...

por Teresa Mendes | 11.12.2019

 E que tal fazer deste Natal… um «Natal Diferente»?

As associações de estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL) e da Faculdad...

por Teresa Mendes | 11.12.2019

3.º Fórum do Conselho Nacional de Saúde decorre a 16 de dezembro

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) organiza, no próximo dia 16 de dezembro, no Auditório António de...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Ordem lamenta que ministra esconda realidade do Algarve

Em resposta às declarações da ministra da Saúde, que na passada sexta-feira disse, na sequência dos...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Risco de queda passa a ser avaliado em todos os doentes internados

Por proposta conjunta do Departamento da Qualidade na Saúde, da Ordem dos Médicos e da Ordem dos Enf...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.