Maioria dos médicos são a favor da legalização da eutanásia em Portugal

por Teresa Mendes | 30.07.2019

Investigação auscultou opinião de médicos de diferentes especialidades 
Quase 60% dos médicos são a favor da legalização da eutanásia em Portugal, segundo um estudo desenvolvido por investigadores do CINTESIS - Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, publicado recentemente na Revista Ibero-americana de Bioética.

Dos 251 médicos que participaram do estudo, 58,2% mostraram-se favoráveis à legalização da eutanásia.

Na maioria dos cenários que compreendiam o conceito de eutanásia voluntária, a concordância com sua aplicabilidade foi de cerca de 55%. Já nos cenários de eutanásia não voluntária, mais de 60% dos médicos discordaram de sua aplicação.

Os investigadores concluem que «parece claro que os critérios mais relevantes para concordar ou não com a eutanásia são o respeito pela autonomia do doente e a existência de sofrimento».

A investigação, da autoria de Sofia da Silva, Luís Azevedo e Miguel Ricou, auscultou a opinião de médicos de diferentes especialidades - nomeadamente de Anestesiologia, Medicina Geral e Familiar, Medicina Interna, Oncologia e Psiquiatria, quanto à prática e legalização da eutanásia – em seis hospitais e 15 centros de saúde da região Norte do país.

Os investigadores concluem que «parece claro que os critérios mais relevantes para concordar ou não com a eutanásia são o respeito pela autonomia do doente e a existência de sofrimento» 

Os resultados indicam ainda que a maioria dos médicos é a favor da legalização da eutanásia, sobretudo os mais novos, com menos experiência profissional e sem crenças religiosas.

No entanto, segundo os investigadores, «a opinião dos médicos é fortemente influenciada pelos cenários concretos que lhes são apresentados».

Ou seja, enquanto 55% concordam com cenários de eutanásia voluntária, menos de 40% concordam com cenários de eutanásia involuntária e apenas 20% aceitam a eutanásia num «adulto com doença terminal que ainda goza de boa qualidade de vida».

De acordo com os autores, este estudo reforça a ideia de que, independentemente da evolução aparente do conceito de «boa morte», «a eutanásia é um assunto ainda controverso, representando um problema médico e social em Portugal», defendendo, por isso, que «são necessários mais estudos sobre este tema».

O artigo completo pode ser consultado aqui.

19tm31f
30 de Julho de 2019
1931Pub3f19tm31f

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.02.2020

Trabalho nas juntas médicas pode comprometer resposta ao coronavírus

Ordem dos Médicos, sindicatos e Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública estão preocupados c...

14.02.2020

Exportações em Saúde atingem um máximo histórico de 1,5 mil milhões de euro...

As exportações portuguesas em Saúde atingiram um novo recorde de cerca de 1,5 mil milhões de euros,...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Governo aprova nova PPP no Hospital de Cascais

O Bloco de Esquerda (BE) considera que a decisão do Governo de avançar para uma nova parceria públic...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Gabinete de segurança para profissionais de saúde coordenado por oficial d...

Foi publicado esta quinta-feira o despacho que cria o Gabinete de Segurança para a Prevenção e o Com...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 VIII Congresso Científico ANL debate preocupações da Medicina Laboratorial

Vai decorrer, nos dias 29 e 30 de maio, no Centro de Congresso de S. Rafael, no Algarve, o VIII Cong...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 Enfarte do miocárdio atinge 15 mil portugueses todos os anos

Nas vésperas do Dia Nacional do Doente Coronário, que se assinala a 14 de fevereiro, a Sociedade Por...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.