Hospital de Beja é pioneiro na região Sul a usar a técnica de crioablação na FA

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 31.07.2019

Procedimento foi realizado por uma equipa multidisciplinar 
O Serviço de Cardiologia da Unidade Local de Saúde (ULS) do Baixo Alentejo realizou a primeira ablação de fibrilhação auricular (FA) pela técnica de crioablação na região Sul, um procedimento minimamente invasivo utilizado para corrigir esta perturbação do ritmo cardíaco através do isolamento elétrico das veias pulmonares na aurícula esquerda, anunciou aquela ULS.

«A fibrilhação auricular aumenta o risco de insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral, sendo também fator de risco para o desenvolvimento de demências.

É uma condição que aporta custos para a população e, por isso, é com orgulho que o Hospital de Beja passa agora a ser um centro que vem ajudar a tratar esta patologia», sublinha o cardiologista Luís Moura Duarte, citado num comunicado.

O primeiro doente tratado com esta técnica foi submetido ao procedimento na passada sexta-feira, 26 de julho, no Hospital José Joaquim Fernandes, que passa agora a dispor desta opção de tratamento.

«A ablação neutraliza os impulsos elétricos anormais do tecido cardíaco e pode ser a solução para tratar a fibrilhação auricular quando não está controlada pela medicação», esclarece a nota à Imprensa.

O Serviço de Cardiologia da Unidade Local de Saúde (ULS) do Baixo Alentejo realizou a primeira ablação de fibrilhação auricular (FA) pela técnica de crioablação na região Sul 

O procedimento foi realizado por uma equipa multidisciplinar, composta, para além de Luís Moura Duarte, por Luísa Elisiário (anestesista), enfermeiros, técnicos de Cardiopneumologia e de Radiologia da instituição e do cirurgião cardíaco Javier Gallego, entre outros

«No final do procedimento, foi uma equipa feliz que pousou para a fotografia sabedores de que a inovação e a evolução técnica são o principal motor da excelência e motivação dos profissionais», salientou Luís Moura Duarte.

19tm31L
31 de Julho de 2019
1931Pub4f19tm31L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Afinal, é a lei que limita fármacos inovadores a não ser perante risco imed...

Afinal, é a própria lei que limita as autorizações excepcionais para ter acesso aos fármacos inovado...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Pelo menos 5 pessoas morrem a cada minuto devido a erros clínicos

No dia em que celebra o primeiro Dia Mundial para a Segurança do Doente (17 de setembro), a Organiza...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Só os neurónios mais viáveis sobrevivem no desenvolvimento do sistema nervo...

Ao contrário do pensado, não é o acaso que determina quais as células que irão formar o sistema nerv...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

 «Queremos que o hospital saia de portas»

O Governo quer alargar a hospitalização domiciliária a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saú...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.