Capacidade laboratorial portuguesa está entre as melhores da Europa

por Teresa Mendes | 31.07.2019

Avaliação realizada pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças
 A capacidade laboratorial portuguesa na área das doenças infeciosas, representada sobretudo pela atividade dos laboratórios do Instituto Ricardo Jorge (Insa), é uma das melhores entre os países da União Europeia (UE) e do Espaço Económico Europeu (EEE), segundo uma avaliação efetuada pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC).

Em 2016, o índice médio do EULabCap (EU Laboratory Capability Monitoring System) para os países da UE/EEE foi de 7,5 numa escala de 0 a 10, tendo Portugal obtido um índice de 8,9, apenas superado pelo Reino Unido (9,0) e França (9,6), salienta o Insa num comunicado.

O Instituto explica que para verificar a capacidade de deteção, avaliação e vigilância de ameaças infeciosas ao nível dos Estados-membros, o ECDC desenvolveu, em colaboração com os pontos focais nacionais de microbiologia de todos os países da UE/EEE e o Fórum Consultivo do ECDC, a metodologia de inquérito EULabCap para monitorização da situação nos diferentes países. 

O inquérito EULabCap avalia, anualmente, as principais capacidades laboratoriais na área da saúde pública em doenças infeciosas nos domínios do diagnóstico, vigilância e preparação para resposta a epidemias.

A capacidade laboratorial de Portugal na área das doenças infeciosas, representada sobretudo pela atividade dos laboratórios do Instituto Ricardo Jorge, é uma das melhores entre os países da União Europeia 

Esta ferramenta de monitorização do ECDC combina 60 indicadores para avaliar a capacidade dos laboratórios de microbiologia de fornecer funções essenciais de saúde pública, conforme definido nas políticas e planos de ação da UE, regulamentos internacionais de saúde e normas técnicas.

Os indicadores do EULabCap estão agrupados em três dimensões: testes de diagnóstico primário, serviços de laboratório de referência de microbiologia nacional e suporte de resposta de vigilância e epidemiológica com base em laboratório.

Em 2016, os índices individuais por país variaram de 5,6 a 9,6, sendo que 19 países atingiram níveis de capacidade suficientes (média a alta) para pelo menos 10 dos 12 alvos do EULabCap. Oito desses países conseguiram níveis de capacidade elevados para todos os alvos, entre os quais Portugal.

Para Jorge Machado, coordenador do Departamento de Doenças Infeciosas, «o reconhecimento internacional de que Portugal e o Instituto Ricardo Jorge revelam uma elevada capacidade laboratorial no domínio das doenças infeciosas ao nível do que melhor se faz na Europa, é o resultado da estratégia delineada num passado recente com objetivos bem definidos, da capacitação e valorização dos recursos humanos e do alinhamento e adequação dos recursos técnicos».

«Na prática, estes resultados significam que a informação resultante desta melhor capacidade possibilita um melhor conhecimento das doenças infeciosas em Portugal, que permite a formulação de politicas mais adequadas, com base na evidência, levando a uma melhor prevenção mas sobretudo melhores diagnósticos e uma atuação mais precisa em saúde pública, como tem sido demonstrado, em situações de surtos (como a doença dos legionários, a Hepatite A e o sarampo) e epidemias (como a gripe, Zika e Dengue)», acrescenta ainda o investigador do Instituto Ricardo Jorge, citado no comunicado.

19tm31j
31 de Julho de 2019
1931Pub4f19tm31j

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Afinal, é a lei que limita fármacos inovadores a não ser perante risco imed...

Afinal, é a própria lei que limita as autorizações excepcionais para ter acesso aos fármacos inovado...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Pelo menos 5 pessoas morrem a cada minuto devido a erros clínicos

No dia em que celebra o primeiro Dia Mundial para a Segurança do Doente (17 de setembro), a Organiza...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

 «Queremos que o hospital saia de portas»

O Governo quer alargar a hospitalização domiciliária a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saú...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.