Internamento de crianças com doenças crónicas complexas em Portugal está a aumentar

por Teresa Mendes | 02.08.2019

Autores defendem cuidados eficazes, coordenados e sustentáveis
Embora o número absoluto de internamentos de doentes pediátricos esteja a diminuir, os internamentos de crianças com doenças crónicas complexas (DCC) em Portugal têm vindo a aumentar, sendo mais prolongados, onerosos e com maior probabilidade de ocorrência de morte do que os restantes, alerta um estudo publicado na edição de julho/agosto da Acta Médica Portuguesa.

A investigação, liderada por Ana Forjaz Lacerda, estudou o período entre 2011 e 2015, tendo sido selecionados 419 927 episódios de internamento de doentes pediátricos, sendo 64 918 (15,5%) episódios com DCC.

Os resultados mostraram que os episódios de DCC representaram «29,8% dos dias de internamento, 39,4% da despesa e 87,2% dos óbitos». Além disso, «custaram o dobro dos episódios sem doenças crónicas complexas (€1467 vs €745) e tiveram uma mortalidade 40 vezes superior (2,4% vs 0,06%)».

Do total, 46,0% foram programados (sem doenças crónicas complexas 23,2%); 64,8% ocorreram em hospitais grupo III – IV (sem doenças crónicas complexas 27,1%). 

Nos episódios com doenças crónicas complexas, a doença maligna foi a categoria mais frequente (23,0%); a maior demora mediana (12 dias, 6 – 41), despesa mediana (€3568,929 – 24 602) e mortalidade (13,4%) verificaram-se na categoria neonatais.

Os internamentos de crianças com doenças crónicas complexas (DCC) em Portugal têm vindo a aumentar, sendo mais prolongados, onerosos e com maior probabilidade de ocorrência de morte do que os restantes, alerta um estudo publicado na Ata Médica Portuguesa 

A equipa de investigadores conclui que em Portugal Continental as crianças medicamente complexas, com necessidades paliativas, «representam uma parte muito importante da atividade e despesa do internamento hospitalar pediátrico», sendo esta «uma noção essencial para o planeamento de cuidados que se desejam eficazes, coordenados e sustentáveis, contribuindo para que os decisores políticos e clínicos possam tomar resoluções informadas e capazes de ir ao encontro das reais necessidades, atuais e futuras, de utentes e profissionais do SNS».

Os autores realçam igualmente que «o desenvolvimento de modelos de cuidados orientados para a criança com DCC e para o bem-estar familiar é uma obrigação atual da Pediatria, sendo imperativa uma reflexão dos responsáveis pelos serviços acerca das necessidades dos seus utentes».

Este trabalho, que pode ser consultado aqui é o primeiro estudo relativo à utilização do internamento hospitalar por crianças com DCC em Portugal Continental e um dos primeiros estudos internacionais a utilizar para este fim a nova versão expandida dos códigos de DCC.

19tm31t
02 de Agosto de 2019
1931Pub6f19tm31t

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.02.2020

Trabalho nas juntas médicas pode comprometer resposta ao coronavírus

Ordem dos Médicos, sindicatos e Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública estão preocupados c...

14.02.2020

Exportações em Saúde atingem um máximo histórico de 1,5 mil milhões de euro...

As exportações portuguesas em Saúde atingiram um novo recorde de cerca de 1,5 mil milhões de euros,...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Governo aprova nova PPP no Hospital de Cascais

O Bloco de Esquerda (BE) considera que a decisão do Governo de avançar para uma nova parceria públic...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Gabinete de segurança para profissionais de saúde coordenado por oficial d...

Foi publicado esta quinta-feira o despacho que cria o Gabinete de Segurança para a Prevenção e o Com...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 VIII Congresso Científico ANL debate preocupações da Medicina Laboratorial

Vai decorrer, nos dias 29 e 30 de maio, no Centro de Congresso de S. Rafael, no Algarve, o VIII Cong...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 Enfarte do miocárdio atinge 15 mil portugueses todos os anos

Nas vésperas do Dia Nacional do Doente Coronário, que se assinala a 14 de fevereiro, a Sociedade Por...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.