Hospital de Leiria encaminha doentes não urgentes para centros de saúde

05.08.2019

Projecto arrancou a 1 de agosto e pretende diminuir as falsas urgências
O Agrupamento de Centros de Saúde (Aces) do Pinhal Litoral e o Centro Hospitalar de Leiria (CHL) criaram um sistema de orientação de utentes não urgentes da Urgência Geral do Hospital de Santo André para os cuidados de saúde primários (CSP), informa o Portal do SNS.

Este projeto arrancou a 1 de agosto e pretende diminuir as falsas urgências, orientando os utentes triados com as prioridades «pouco urgente» (pulseira verde) e «não urgente» (pulseira azul) para os centros de saúde, onde serão atendidos no próprio dia, preferencialmente pelo seu médico de família.

Depois de triada a prioridade clínica, o enfermeiro triador informa o doente de que pode ser orientado para o seu centro de saúde e, se este aceitar, é agendada consulta nos CSP.

Nesta situação, o doente é dispensado do pagamento da taxa moderadora do serviço de urgência.

Estes utentes representam entre 33% e 50% dos que procuram o serviço de urgência, sendo penalizados com tempos de espera prolongados e exposição desnecessária a outros doentes.

Numa primeira fase experimental, o projeto arranca com a colaboração de 13 de médicos de família de duas unidades de saúde familiar (USF), pretendendo-se o alargamento gradual dos clínicos e das unidades envolvidas, bem como a aplicação também na Urgência Pediátrica.

A iniciativa tem como grande objetivo «encaminhar o utente com doença aguda para o local e profissional que melhor o pode atender nessa situação – o seu médico de família na sua unidade de saúde – que o pode consultar com acesso a todo o seu histórico, com o tempo que lhe é devido», explica a nota à Imprensa.

O projeto pretende diminuir as falsas urgências, orientando os utentes triados com as prioridades «pouco urgente» (pulseira verde) e «não urgente» (pulseira azul) para os centros de saúde, onde serão atendidos no próprio dia, preferencialmente pelo seu médico de família 

O Aces e o CHL pretendem, assim, «diminuir as falsas urgências no Serviço de Urgência Geral do Hospital de Santo André, que sobrecarregam desnecessariamente o serviço, quando os centros de saúde da região investem em horários alargados, com profissionais disponíveis para ver os seus doentes, e quando cerca de 98% dos utentes de Leiria têm médico atribuído».

A sensibilização é outra das grandes metas, «esperando-se que, a médio prazo, o doente agudo em situação não urgente se dirija sempre, como primeira opção, ao seu médico de família», diz ainda o comunicado.

Não estão incluídos no grupo dos doentes triados como verdes ou azuis a serem orientados para os cuidados de saúde primários, os doentes encaminhados pelo Centro de Contacto SNS24, referenciados previamente pelo centro de saúde ou médico assistente, doentes com mais de 75 anos, ou com determinadas patologias específicas, como asma.
 
19tm32c
05 de Agosto de 2019
1932Pub2f19tm32c

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

14.02.2020

Exportações em Saúde atingem um máximo histórico de 1,5 mil milhões de euro...

As exportações portuguesas em Saúde atingiram um novo recorde de cerca de 1,5 mil milhões de euros,...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Governo aprova nova PPP no Hospital de Cascais

O Bloco de Esquerda (BE) considera que a decisão do Governo de avançar para uma nova parceria públic...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Gabinete de segurança para profissionais de saúde coordenado por oficial d...

Foi publicado esta quinta-feira o despacho que cria o Gabinete de Segurança para a Prevenção e o Com...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 VIII Congresso Científico ANL debate preocupações da Medicina Laboratorial

Vai decorrer, nos dias 29 e 30 de maio, no Centro de Congresso de S. Rafael, no Algarve, o VIII Cong...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 Enfarte do miocárdio atinge 15 mil portugueses todos os anos

Nas vésperas do Dia Nacional do Doente Coronário, que se assinala a 14 de fevereiro, a Sociedade Por...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 «Eutanásia e o suicídio assistido não se enquadram na prática da medicina»

Mantendo a decisão de há dois anos, o Conselho Nacional de Ética e Deontologia Médicas (CNEDM) da Or...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.