Francisco Ramos propõe cortes nas deduções fiscais para financiar o SNS

por Teresa Mendes | 12.08.2019

Medida permitiria o encaixe de 300 milhões nos cofres do Estado
O secretário de Estado Adjunto e da Saúde propõe a redução das deduções no IRS como forma de financiar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), avançou este sábado o jornal Público. Francisco Ramos defende que as deduções em sede de IRS desçam de 15% para apenas 5%.

A medida, segundo o responsável, permitiria o encaixe de 300 milhões nos cofres do Estado.

«Neste momento, a única “declaração” que o senhor ministro das Finanças fez foi a proposta do Programa Estabilidade e Crescimento [PEC], que foi aprovada por todo o Governo e que prevê para 2020 um crescimento de 300 milhões na dotação do SNS.
A minha posição, enquanto secretário de Estado responsável pelas finanças do SNS, é que será preciso pelo menos o dobro.
E tenho uma sugestão que volto a pôr em cima da mesa: a de que esses 300 milhões que faltam venham dos benefícios fiscais em sede de IRS, ou seja, baixando dos atuais 15% [deduções de despesas de saúde] para 5%. Imediatamente haverá mais 300 milhões de euros», disse Francisco Ramos numa entrevista-
 
Reconhecendo que com esta opção as «famílias vão suportar mais encargos», o secretário de Estado sabe que a proposta pode ser impopular, mas «também é impopular o SNS não conseguir dar resposta». «Esta é uma escolha que tem que ser feita. É uma escolha política, a de desviar parte desse dinheiro para reforçar o SNS», diz.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde propõe a redução das deduções no IRS como forma de financiar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), avançou este sábado o jornal Público. Francisco Ramos defende que as deduções em sede de IRS desçam de 15% para apenas 5%. A medida, segundo o responsável, permitiria o encaixe de 300 milhões nos cofres do Estado

Francisco Ramos defende ainda que os portugueses tenham um seguro complementar público, que permita o acesso a saúde oral, óculos, próteses, despesas não cobertas pelo SNS, replicando um modelo que já existe noutros países.

«O SNS existe há 40 anos, o que está escrito é que é para todos os portugueses, que é geral, cobre todos os cuidados, e tendencialmente gratuito.

Mas há um conjunto de cuidados que o SNS não consegue assegurar, desde a saúde oral, óculos, próteses auditivas. Não há nenhuma tradição de oferta pública nestas áreas. A minha proposta é que se discuta um meio alternativo de financiar estes atos», sublinha.

Em entrevista àquele jornal, Francisco Ramos reconhece que a medida não é popular, mas sublinha que «é necessário financiamento para o SNS» e que SNS vai continuar a precisar nos próximos anos de «dotações financeiras reforçadas».
Entretanto, o bastonário da Ordem dos Médicos já reagiu a esta proposta e disse à Antena 1 que na sua opinião «este não é o caminho para conseguir dinheiro para o SNS».

19tm33d
12 de Agosto de 2019
1933Pub2f19tm33d

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Governo autoriza 22,5 milhões para a nova ala pediátrica

Uma Portaria publicada esta segunda-feira no Diário da República autoriza o Hospital de São João a «...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

 «Evidence-based nutrition: da prevenção ao tratamento»

«Evidence-based nutrition: da prevenção ao tratamento» é o tema da conferência Evidência Científica...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Celebrados os 40 anos do SNS 

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi criado há 40 anos, tornando o acesso a cuidados de saúde «gera...

por Teresa Mendes | 19.08.2019

Hospital de Évora diminui lista de espera para cirurgia em 15%

O Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) diminuiu em 15% o número de doentes em lista de espera...

por Teresa Mendes | 19.08.2019

 Descoberto novo mecanismo na pele sensível à dor

Investigadores do Karolinska Institutet, Suécia, descobriram um novo mecanismo sensorial na pele cap...

por Teresa Mendes | 19.08.2019

IFDC 2019 decorre de 15 a 18 de outubro, em Lisboa

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), através do seu Departamento de Alimentaçã...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.