«Estamos a viver a síndrome da avestruz»

12.08.2019

OM alerta para «esforço sobre-humano» dos profissionais das maternidades
A Ordem dos Médicos (OM) alerta que as maternidades portuguesas estão já a ultrapassar a situação limite, com profissionais num «esforço sobre-humano» e a realizarem, num mês, mais de 100 horas de serviço de urgência além do habitual.
O presidente do Conselho Regional Sul (CRS) da OM, Alexandre Valentim Lourenço, avisa que as equipas que trabalham nas maternidades estão esgotadas e que há até médicos a desistir do sistema, como o caso de um diretor de obstetrícia que pediu reforma compulsiva aos 59 anos.

Em entrevista à agência Lusa, esta sexta-feira, o responsável lamentou a ausência de medidas por parte do Ministério da Saúde para resolver os problemas identificados pelos profissionais, sobretudo em relação ao período do verão, depois de em final de junho terem sido apresentadas propostas pela Ordem.

«Estamos a viver a síndrome da avestruz. Pomos a cabeça na areia para fingir que o problema não existe. E o problema está a agravar-se e qualquer dia a avestruz morre. Não se reconhecem os problemas e não se faz esforço.
Não se recompensam os profissionais pelo esforço sobre-humano que fazem», observou o representante da Ordem na região Sul, onde a falta de profissionais nas maternidades é mais sentida.

«Estamos a viver a síndrome da avestruz. Pomos a cabeça na areia para fingir que o problema não existe. E o problema está a agravar-se e qualquer dia a avestruz morre», alerta Alexandre Valentim Lourenço

Para o médico, também ele obstetra, o limite já foi atingido e os profissionais estão «muito cansados». «As equipas não estão completas e o esforço de resolução do problema é feito com muitas horas suplementares. Nos serviços de urgência há médicos a fazer 100 a 130 horas por mês, além das urgências normais no mês de julho», exemplificou.

Alexandre Valentim Lourenço lembra que «equipas muito cansadas» se podem traduzir numa «pior qualidade dos serviços», levando até a aumentar as listas de espera para consultas e cirurgias, porque os médicos têm de estar mais centrados.

19tm33b
12 de Agosto de 2019
1933Pub2f19tm33b

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.10.2019

Investigação portuguesa comprova impacto da redução do consumo de sal na sa...

Um estudo inédito em Portugal concluiu que «a diminuição da ingestão de sal e o aumento da ingestão...

por Teresa Mendes | 17.10.2019

 Morrem prematuramente em Portugal quase 6 mil pessoas devido à poluição

Em 2016, morreram prematuramente em Portugal quase 6 mil pessoas devido à poluição do ar. A conclusã...

por Teresa Mendes | 17.10.2019

 USF modelo B: Regime retributivo «deve ser alargado a todos os profissiona...

O Conselho Consultivo da Associação Nacional das Unidades de Saúde Familiar (USF-AN) considera, no q...

por Teresa Mendes | 16.10.2019

 Médicos contestam manutenção de Marta Temido na pasta da Saúde

Após um ano marcado pela contestação, Marta Temido vê o seu mandato como ministra da Saúde renovado...

por Teresa Mendes | 16.10.2019

 Hospitais que criarem mais pagamentos em atraso devem ser auditados

O economista Pedro Pita Barros sugere ao novo Governo, prestes a iniciar funções, que passe a public...

por Teresa Mendes | 16.10.2019

Festival Mental 2019 é já em novembro, em Lisboa e Porto

Lisboa e Porto vão poder assistir ao Festival Mental em novembro.<br /> A inauguração é no dia 1 e...

15.10.2019

 Advanced Health Education pretende promover a formação ao longo da vida

 Os profissionais de saúde terão a partir de abril uma nova oferta para pós-graduações profissionali...

por Teresa Mendes | 15.10.2019

 Tribunal decidiu pela improcedência da providência cautelar da OE

O Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa rejeitou a providência cautelar requerida pela Ordem...

por Teresa Mendes | 14.10.2019

 Governo publica distribuição das 200 vagas para assistentes graduados seni...

Passados quase quatros meses desde a publicação da autorização da abertura de concursos para o preen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.