«Estamos a viver a síndrome da avestruz»

12.08.2019

OM alerta para «esforço sobre-humano» dos profissionais das maternidades
A Ordem dos Médicos (OM) alerta que as maternidades portuguesas estão já a ultrapassar a situação limite, com profissionais num «esforço sobre-humano» e a realizarem, num mês, mais de 100 horas de serviço de urgência além do habitual.
O presidente do Conselho Regional Sul (CRS) da OM, Alexandre Valentim Lourenço, avisa que as equipas que trabalham nas maternidades estão esgotadas e que há até médicos a desistir do sistema, como o caso de um diretor de obstetrícia que pediu reforma compulsiva aos 59 anos.

Em entrevista à agência Lusa, esta sexta-feira, o responsável lamentou a ausência de medidas por parte do Ministério da Saúde para resolver os problemas identificados pelos profissionais, sobretudo em relação ao período do verão, depois de em final de junho terem sido apresentadas propostas pela Ordem.

«Estamos a viver a síndrome da avestruz. Pomos a cabeça na areia para fingir que o problema não existe. E o problema está a agravar-se e qualquer dia a avestruz morre. Não se reconhecem os problemas e não se faz esforço.
Não se recompensam os profissionais pelo esforço sobre-humano que fazem», observou o representante da Ordem na região Sul, onde a falta de profissionais nas maternidades é mais sentida.

«Estamos a viver a síndrome da avestruz. Pomos a cabeça na areia para fingir que o problema não existe. E o problema está a agravar-se e qualquer dia a avestruz morre», alerta Alexandre Valentim Lourenço

Para o médico, também ele obstetra, o limite já foi atingido e os profissionais estão «muito cansados». «As equipas não estão completas e o esforço de resolução do problema é feito com muitas horas suplementares. Nos serviços de urgência há médicos a fazer 100 a 130 horas por mês, além das urgências normais no mês de julho», exemplificou.

Alexandre Valentim Lourenço lembra que «equipas muito cansadas» se podem traduzir numa «pior qualidade dos serviços», levando até a aumentar as listas de espera para consultas e cirurgias, porque os médicos têm de estar mais centrados.

19tm33b
12 de Agosto de 2019
1933Pub2f19tm33b

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Governo autoriza 22,5 milhões para a nova ala pediátrica

Uma Portaria publicada esta segunda-feira no Diário da República autoriza o Hospital de São João a «...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

 «Evidence-based nutrition: da prevenção ao tratamento»

«Evidence-based nutrition: da prevenção ao tratamento» é o tema da conferência Evidência Científica...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Celebrados os 40 anos do SNS 

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi criado há 40 anos, tornando o acesso a cuidados de saúde «gera...

por Teresa Mendes | 19.08.2019

Hospital de Évora diminui lista de espera para cirurgia em 15%

O Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) diminuiu em 15% o número de doentes em lista de espera...

por Teresa Mendes | 19.08.2019

 Descoberto novo mecanismo na pele sensível à dor

Investigadores do Karolinska Institutet, Suécia, descobriram um novo mecanismo sensorial na pele cap...

por Teresa Mendes | 19.08.2019

IFDC 2019 decorre de 15 a 18 de outubro, em Lisboa

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), através do seu Departamento de Alimentaçã...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.