Aumento das intervenções contra a malária pode evitar 4 milhões de mortes até 2030

por Teresa Mendes | 26.08.2019

Maioria das ferramentas utilizadas foi desenvolvida no século passado 
 O aumento do número das intervenções atuais contra a malária poderia impedir 2 bilhões de casos e 4 milhões de mortes até 2030, conclui o relatório do Grupo Consultivo Estratégico da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre Erradicação da Malária, publicado esta sexta-feira.

O documento conclui que para isso aconteceria se essas intervenções chegassem a 90% da população dos 29 países onde acontecem 95% dos casos.

Numa nota à Imprensa, o diretor-geral da OMS disse que «libertar o mundo da malária seria uma das maiores conquistas em saúde pública».
Para Tedros Ghebreyesus, «com novas ferramentas e abordagens, essa visão pode se tornar uma realidade».

A OMS afirma ainda que a aceleração da investigação e desenvolvimento é fundamental para cumprir esse objetivo, sendo que, neste momento, «menos de 1% do financiamento nesta área da saúde vai para o desenvolvimento de ferramentas para combater a malária».

O aumento do número das intervenções actuais contra a malária poderia impedir 2 bilhões de casos e 4 milhões de mortes até 2030, conclui o relatório do Grupo Consultivo Estratégico da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre Erradicação da Malária 

O presidente do Grupo Consultivo da OMS, Marcel Tanner, considerou, por seu turno, que é necessário «reforçar a motivação para encontrar estratégias e ferramentas transformadoras que podem ser adaptadas à situação local».

A investigação também alerta que a maioria das ferramentas utilizadas para combater a malária foi desenvolvida no século passado, como mosquiteiros tratados com inseticida, pulverização residual interna, testes de diagnóstico e medicamentos.

Apesar disso, novas abordagens promissoras de diagnóstico, medicamentos e inseticidas estão a ser desenvolvidas. Um dos melhores exemplos é a primeira vacina contra a malária, que já foi usada no Gana e Malauí e deve agora ser utilizada no Quénia.

Recorde-se que todos os anos, o número global de novos casos de malária ultrapassa os 200 milhões, sendo que a cada dois minutos, uma criança morre desta doença tratável.

As taxas globais de infeção e mortalidade por malária permaneceram praticamente inalteradas desde 2015.

Segundo o último Relatório Mundial da Malária da OMS, o mundo não deve cumprir as metas para 2030 estabelecidas na Estratégia Técnica Global da OMS para a malária 2016-2030. O objetivo era alcançar uma redução de 90% na incidência de casos de malária e taxa de mortalidade.

19tm35d
26 de Agosto de 2019
1934Pub2f19tm35d

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Entregues galardões das 63.ª edição dos Prémios Pfizer

Os avanços nas áreas do autismo e do cancro da mama foram distinguidos na 63.ª edição dos Prémios Pf...

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Ordem e sindicatos contra obrigatoriedade da permanência no setor público

O tema não é novo. No Programa do Governo já estava inscrita a «adoção de novos modelos de organizaç...

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Cuidados continuados com melhor resposta em 2018

Em 2018 registou-se um reforço no número de lugares de internamento nos cuidados continuados, com um...

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Luís Filipe Macedo é o novo diretor do Programa para as Doenças Cérebro-ca...

Luís Filipe Macedo, assistente hospitalar graduado sénior em Cardiologia do Centro Hospitalar Univer...

15.11.2019

Existem enormes disparidades na disponibilização dos fármacos inovadores

Há hospitais portugueses que chegam a demorar até quatro meses a disponibilizar medicamentos inovado...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Lítio pode reverter os danos da radiação após o tratamento de tumores cere...

É sabido que as crianças que receberam radioterapia para um tumor cerebral podem vir a desenvolver p...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Apifarma celebra 80 anos com a presença da ministra da Saúde

As associações Alzheimer Portugal, de Apoio aos Traumatizados Crânio-Encefálicos e Suas Famílias, de...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

«A maior urgência do país não pode fechar», diz bastonário

Após uma visita esta quarta-feira ao hospital de Santa Maria, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM)...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.