23% das vagas ficaram por preencher

por Teresa Mendes | 28.08.2019

Concurso disponibilizava 1264 lugares para médicos de especialidade
Segundo os dados oficiais a que a agência Lusa teve acesso, no concurso de primeira época de 2019 para médicos recém-especialistas foram preenchidas um total de 909 vagas, 305 dos quais para Medicina Geral e Familiar (das 398 abertas).

As restantes 604 vagas foram preenchidas por especialidades como medicina interna (111), cirurgia geral (54), psiquiatria (49), pediatria (37), anestesiologia (36), ortopedia (30), cardiologia (23), pneumologia (21), ginecologia/obstetrícia (14), oftalmologia (14), oncologia médica (14) e radiologia (14), entre outras.

De acordo com os dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), foram escolhidas pelos candidatos 10 das 13 vagas abertas para saúde pública, 11 das 18 vagas abertas para medicina física e reabilitação, 10 das 14 para patologia clínica, 10 das 15 abertas para nefrologia, 10 das 13 abertas para imuno-hemoterapia e a mesma proporção para hematologia clínica.

Os dados indicam ainda que apenas nas especialidades de genética médica (2), cirurgia pediátrica (2), cirurgia maxilo-facial (2), cirurgia cardíaca (3) e cardiologia pediátrica (2) foram preenchidas a totalidade das vagas abertas.

Os dados referentes ao concurso desenvolvido na 1.ª época deste ano indicam que foram ocupadas 77% das vagas identificadas para todas as especialidades (hospitalares, saúde pública e medicina geral e familiar).

«Esta é a maior taxa de ocupação de vagas (72%) dos últimos anos», destaca a Tutela

Num comunicado divulgado esta terça-feira, o Sindicato Independente dos Médicos mostra-se preocupado com a baixa taxa de ocupação das vagas, alertando que apesar dos seus «inúmeros alertas, o Governo persiste em não tomar qualquer medida que torne o SNS atrativo face ao setor privado e aos restantes países onde os médicos portugueses são bem recebidos».

O Ministério da Saúde salientou que este concurso «apresentou o maior preenchimento de vagas dos últimos quatro anos, tendo registado um aumento de 10 pontos percentuais em relação a 2016»

Já o Ministério da Saúde salientou, também num comunicado, que este concurso «apresentou o maior preenchimento de vagas dos últimos quatro anos, tendo registado um aumento de 10 pontos percentuais em relação a 2016».

«O número de colocações de recém-especialistas (909) numa 1.ª época não encontra precedentes nos concursos dos últimos anos. Esta é a maior taxa de ocupação de vagas (72%) dos últimos anos», destaca a Tutela.

19tm35k
28 de Agosto de 2019
1935Pub4f19tm35k

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

20.02.2020

Falta de médicos é «problema antigo», diz diretor clínico do HSM

O diretor clínico do Hospital de Santa Maria (HSM), Luís Pinheiro, disse esta quarta-feira aos deput...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

Médicos defendem o fim da tortura e negligência médica a Julian Assange

Numa carta publicada no início desta semana na revista The Lancet, um grupo de médicos de 18 países...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

 «Farmacovigilância – partilha de responsabilidade»

 No próximo dia 5 de março, o Infarmed promove uma sessão de Manhãs Informativas dedicada ao tema «F...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

Calendário de visitas ao património cultural do CHULC

O Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) divulgou o calendário das visitas guiada...

por Teresa Mendes | 19.02.2020

Prevalência da demência em Portugal mais do que duplicará até 2050

O número de pessoas com demência em Portugal em 2050 irá atingir os 3,82% da população, o que será m...

por Teresa Mendes | 19.02.2020

 Todos os países do mundo estão a falhar proteção da saúde das crianças

Não há nenhum país do mundo que esteja a proteger de forma adequada a saúde das crianças, o seu ambi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.