A Europa está a perder terreno nos esforços pela eliminação do sarampo

por Teresa Mendes | 29.08.2019

Número de casos já ultrapassou o total do ano passado, alerta a OMS
Pela primeira vez desde em 2012, quatro Estados perderam o estatuto de país que eliminou o sarampo: a Albânia, a República Checa, a Grécia e o Reino Unido. Esta foi a conclusão da Comissão Europeia de Verificação Regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), com base numa avaliação de 53 Estados-membros.

A perda do estatuto significa que, em 2018, os países não foram capazes de controlar a tempo (têm um ano) o surgimento de novos surtos.
 
Num comunicado, a OMS avisa que «a Europa está a perder terreno nos esforços pela eliminação do sarampo».

Pela primeira vez desde em 2012, quatro Estados perderam o estatuto de país que eliminou o sarampo: a Albânia, a República Checa, a Grécia e o Reino Unido 

O presidente da Comissão Europeia de Verificação Regional, Günter Pfaff, salienta que «o restabelecimento da transmissão do sarampo é preocupante», alertando que «se a cobertura de imunização não for alcançada e mantida em todas as comunidades, tanto crianças como adultos sofrerão de forma desnecessária e alguns morrerão tragicamente».

Por outro lado, e de acordo com o mesmo relatório, a Áustria e a Suíça eliminaram a doença, tendo conseguido demonstrar que não existiu transmissão de sarampo dentro do país durante pelo menos 36 meses.

Até o final de 2018, 35 países europeus tinham alcançado e mantido a eliminação do sarampo, menos dois do que no ano anterior.

O aumento no número de casos que aconteceu em 2018 tornou a repetir-se em 2019, com cerca de 90 mil casos relatados no primeiro semestre do ano. «Este valor representa mais do que número total de casos registado em todo o ano de 2018, cerca de 84 mil», destaca o documento. 

A diretora regional da OMS para a Europa, Zsuzsanna Jakab, referiu que «grandes esforços para controlar esta doença altamente contagiosa permitiram percorrer um longo caminho para a eliminação regional».

Apesar disso, a especialista alerta que «os surtos contínuos de sarampo demonstram que é necessário fazer mais».

19tm35n
29 de Agosto de 2019
1935Pub5f19tm35n

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.02.2020

«Governo menospreza a negociação com os sindicatos médicos»

Os sindicatos médicos saíram esta segunda-feira desiludidos da primeira reunião negocial com a tutel...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

 Eutanásia «viola a relação médico-doente», reafirma Miguel Guimarães

A Ordem dos Médicos (OM) voltou esta segunda-feira a manifestar-se contra a prática da eutanásia, ar...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

Criada comissão para elaborar proposta para uma Lei da Saúde Pública

O Ministério da Saúde criou uma Comissão para elaborar uma proposta de Reforma da Saúde Pública e Su...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

USF da Alta de Lisboa e Alto dos Moinhos concluídas dentro de ano e meio

A ministra da Saúde lançou esta segunda-feira a primeira pedra das novas unidades de saúde familiar...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Generalização do modelo USF? Sim, mas mantendo os critérios diferenciadore...

A Associação Nacional das Unidades de Saúde Familiar (USF-AN) diz-se satisfeita com a intenção do pr...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44%

A utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44% entre 2009 e 2018. O consumo c...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

1.º Congresso Internacional de Cuidados Continuados e Paliativos 

  O Centro de Estudos e Desenvolvimento de Cuidados Continuados e Paliativos (CEDCCP) da Faculdade d...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.