Governo aprova o Estatuto do Cuidador Informal

por Teresa Mendes | 06.09.2019

Cuidadores passam a ser equiparado a desempregado de muito longa duração
Após anos de um vazio legal, foi aprovado hoje no Diário da República, o Estatuto do Cuidador Informal.
A tão esperada Lei vem então regular os direitos e os deveres do cuidador e da pessoa cuidada, estabelecendo as respetivas medidas de apoio.
De acordo com o diploma, o reconhecimento do cuidador informal será da competência do Instituto da Segurança Social, mediante requerimento e, sempre que possível, com o consentimento da pessoa cuidada, junto dos serviços da segurança social ou através do portal da Segurança Social Direta.

Após reconhecimento, o cuidador passa a beneficiar de vários direitos, nomeadamente a «ser acompanhado e receber formação para o desenvolvimento das suas capacidades e aquisição de competências para a prestação adequada dos cuidados de saúde à pessoa cuidada», «receber informação por parte de profissionais das áreas da saúde e da segurança social» ou «usufruir de apoio psicológico dos serviços de saúde, sempre que necessário, e mesmo após a morte da pessoa cuidada».

Após anos de um vazio legal, foi aprovado hoje no Diário da República, o Estatuto do Cuidador Informal. A tão esperada Lei vem então regular os direitos e os deveres do cuidador e da pessoa cuidada, estabelecendo as respetivas medidas de apoio 

Outros dos direitos agora consagrados é o de poder «beneficiar de períodos de descanso que visem o seu bem-estar e equilíbrio emocional», garantindo o Estado que a pessoa a cargo é direcionada, nesse período, para uma unidade da RNCCI.

Será também atribuído ao cuidador informal, um «subsídio de apoio, mediante condição de recursos», bem como o «acesso ao regime de seguro social voluntário».

Por fim, estes trabalhadores, desde que tenham prestado cuidados por período igual ou superior a 25 meses, passam a ser equiparado a desempregado de muito longa duração para efeitos de acesso à medida de isenção do pagamento de contribuições.

A Lei completa está disponível para consulta aqui.

19tm36r
06 de Setembro de 2019
1936Pub6f19tm36r

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Afinal, é a lei que limita fármacos inovadores a não ser perante risco imed...

Afinal, é a própria lei que limita as autorizações excepcionais para ter acesso aos fármacos inovado...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Pelo menos 5 pessoas morrem a cada minuto devido a erros clínicos

No dia em que celebra o primeiro Dia Mundial para a Segurança do Doente (17 de setembro), a Organiza...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Só os neurónios mais viáveis sobrevivem no desenvolvimento do sistema nervo...

Ao contrário do pensado, não é o acaso que determina quais as células que irão formar o sistema nerv...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

 «Queremos que o hospital saia de portas»

O Governo quer alargar a hospitalização domiciliária a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saú...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.