Ordem quer cheques-dentista para casos urgentes e desdentados totais

por Teresa Mendes | 06.09.2019

Apelo é feito numa carta aberta aos partidos políticos
A Ordem dos Médicos Dentistas (OMD) defende a atribuição de cheques-dentista a partir dos dois anos de idade e aos desdentados totais, a criação de um cheque para casos urgentes, bem como a integração da medicina dentária na medicina do trabalho.

Numa carta aberta aos partidos políticos que concorrem às eleições legislativas, divulgada hoje no seu site, a OMD apela aos deputados para contemplarem nos seus programas de governo soluções que permitam «corrigir a situação de Portugal, que exclui uma grande parte da população dos cuidados de saúde oral».

Na carta, a Ordem lembra que «70% dos portugueses têm falta de dentes e que destes 55% nada tem a substituir».

Dados do Barómetro Nacional da Saúde Oral que revelam ainda que «30% da população nunca vai ao médico dentista ou apenas vai em caso de urgência».

Sob o mote «Saúde oral é saúde geral. É qualidade de vida», a missiva da OMD considera fundamental aumentar a acessibilidade da população à medicina dentária.

A OMD defende então uma resposta integrada em termos de saúde pública ao nível preventivo, nomeadamente «através do alargamento do cheque-dentista a partir dos dois anos e aos desdentados totais, permitindo a reabilitação com próteses dentárias e a criação de um cheque-dentista “urgência” para dar resposta às situações de dor e trauma dentário».

A Ordem considera ainda que «é necessário criar benefícios fiscais no acesso a cuidados de saúde oral e próteses dentárias, e implementar mecanismos de comparticipação para consultas, tratamentos e reabilitação à semelhança do que já acontece nos Sistemas Regionais de Saúde dos Açores e da Madeira».

Numa carta aberta aos partidos políticos que concorrem às eleições legislativas, divulgada hoje no seu site, a OMD apela aos deputados para contemplarem nos seus programas de governo soluções que permitam «corrigir a situação de Portugal, que exclui uma grande parte da população dos cuidados de saúde oral»

Para assegurar a cobertura de todos os trabalhadores, é recomendada a «integração da medicina dentária na medicina do trabalho».

O bastonário da OMD, Orlando Monteiro da Silva, que assina a carta aberta, lembra que «uma política que separa a saúde oral da saúde no seu todo acarreta enormes custos para os indivíduos, mas também para o Estado.

Isto numa altura em que paradoxalmente dispomos em Portugal de uma medicina dentária que atingiu um nível científico e profissional que a coloca a par das mais evoluídas do mundo».

19tm36q
06 de Setembro de 2019
1936Pub6f19tm36q

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Afinal, é a lei que limita fármacos inovadores a não ser perante risco imed...

Afinal, é a própria lei que limita as autorizações excepcionais para ter acesso aos fármacos inovado...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Pelo menos 5 pessoas morrem a cada minuto devido a erros clínicos

No dia em que celebra o primeiro Dia Mundial para a Segurança do Doente (17 de setembro), a Organiza...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Só os neurónios mais viáveis sobrevivem no desenvolvimento do sistema nervo...

Ao contrário do pensado, não é o acaso que determina quais as células que irão formar o sistema nerv...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

 «Queremos que o hospital saia de portas»

O Governo quer alargar a hospitalização domiciliária a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saú...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.