Genética é uma determinante forte e significativa para obesidade em meninas

por Teresa Mendes | 10.09.2019

Estudo publicado no American Journal of Human Biology 
Existe uma associação positiva entre um gene (FTO) e a obesidade infantil em meninas, que nem a atividade física consegue modificar, segundo um estudo da Universidade de Coimbra (UC), publicado no American Journal of Human Biology.

«Existe uma associação forte e significativa entre o polimorfismo de nucleótido simples do gene associado à obesidade FTO (fat mass and obesity-associated gene) e o risco de obesidade abdominal em meninas, mas não em meninos», destaca um comunicado enviado à agência Lusa.

O estudo, da autoria de uma equipa do Centro de Investigação em Antropologia e Saúde (CIAS) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC, foi realizado no âmbito de um projeto sobre «Desigualdades na obesidade infantil: o impacto da crise económica em Portugal de 2009 a 2015», coordenado por Cristina Padez, e cofinanciado pelo programa COMPETE 2020, Portugal 2020 e pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Existe uma associação positiva entre um gene (FTO) e a obesidade infantil em meninas, que nem a atividade física consegue modificar, segundo um estudo da Universidade de Coimbra (UC) 

A amostra foi constituída por 440 crianças portuguesas (213 meninas e 227 meninos), com idades compreendidas entre os 3 e os 11 anos, de várias escolas públicas da região Centro do país.

«Pretendeu-se perceber também se a atividade física, medida objetivamente com acelerómetros, pode moderar o efeito da variante FTO rs9939609 na obesidade em crianças», explica o comunicado.

Citado na nota, o especialista em genética e primeiro autor do artigo científico publicado, Licínio Manco, refere que, «surpreendentemente, verificou-se que a prática de atividade física, seja maior ou menor, não vai atenuar a influência do gene FTO no ganho de peso corporal em crianças, ao contrário do que se verifica em adultos, como se demonstrou num estudo anterior realizado com jovens adultos portugueses».

«Isto significa que é importante incentivar a atividade física em todas as crianças, independentemente da sua suscetibilidade genética para a obesidade, pelos inúmeros benefícios para a saúde infantil», sublinha.

O investigador entende que estes resultados devem ser consolidados em amostras maiores e em estudos longitudinais, porque «existem alguns trabalhos que sugerem que a prática de atividade física pode atenuar a influência de alelos de risco para obesidade em crianças».

Segundo os promotores do estudo, as meninas são um grupo de maior risco por serem mais sedentárias e mais suscetíveis a ganhar peso.

O estudo, intitulado «Physical activity and the association between the FTO rs9939609 polymorphism and obesity in Portuguese children aged 3 to 11 years», está disponível para consulta aqui.  

19tm37h
10 de Setembro de 2019
1937Pub3f19tm37h

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Afinal, é a lei que limita fármacos inovadores a não ser perante risco imed...

Afinal, é a própria lei que limita as autorizações excepcionais para ter acesso aos fármacos inovado...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Pelo menos 5 pessoas morrem a cada minuto devido a erros clínicos

No dia em que celebra o primeiro Dia Mundial para a Segurança do Doente (17 de setembro), a Organiza...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

 «Queremos que o hospital saia de portas»

O Governo quer alargar a hospitalização domiciliária a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saú...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.