Genética é uma determinante forte e significativa para obesidade em meninas

por Teresa Mendes | 10.09.2019

Estudo publicado no American Journal of Human Biology 
Existe uma associação positiva entre um gene (FTO) e a obesidade infantil em meninas, que nem a atividade física consegue modificar, segundo um estudo da Universidade de Coimbra (UC), publicado no American Journal of Human Biology.

«Existe uma associação forte e significativa entre o polimorfismo de nucleótido simples do gene associado à obesidade FTO (fat mass and obesity-associated gene) e o risco de obesidade abdominal em meninas, mas não em meninos», destaca um comunicado enviado à agência Lusa.

O estudo, da autoria de uma equipa do Centro de Investigação em Antropologia e Saúde (CIAS) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC, foi realizado no âmbito de um projeto sobre «Desigualdades na obesidade infantil: o impacto da crise económica em Portugal de 2009 a 2015», coordenado por Cristina Padez, e cofinanciado pelo programa COMPETE 2020, Portugal 2020 e pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Existe uma associação positiva entre um gene (FTO) e a obesidade infantil em meninas, que nem a atividade física consegue modificar, segundo um estudo da Universidade de Coimbra (UC) 

A amostra foi constituída por 440 crianças portuguesas (213 meninas e 227 meninos), com idades compreendidas entre os 3 e os 11 anos, de várias escolas públicas da região Centro do país.

«Pretendeu-se perceber também se a atividade física, medida objetivamente com acelerómetros, pode moderar o efeito da variante FTO rs9939609 na obesidade em crianças», explica o comunicado.

Citado na nota, o especialista em genética e primeiro autor do artigo científico publicado, Licínio Manco, refere que, «surpreendentemente, verificou-se que a prática de atividade física, seja maior ou menor, não vai atenuar a influência do gene FTO no ganho de peso corporal em crianças, ao contrário do que se verifica em adultos, como se demonstrou num estudo anterior realizado com jovens adultos portugueses».

«Isto significa que é importante incentivar a atividade física em todas as crianças, independentemente da sua suscetibilidade genética para a obesidade, pelos inúmeros benefícios para a saúde infantil», sublinha.

O investigador entende que estes resultados devem ser consolidados em amostras maiores e em estudos longitudinais, porque «existem alguns trabalhos que sugerem que a prática de atividade física pode atenuar a influência de alelos de risco para obesidade em crianças».

Segundo os promotores do estudo, as meninas são um grupo de maior risco por serem mais sedentárias e mais suscetíveis a ganhar peso.

O estudo, intitulado «Physical activity and the association between the FTO rs9939609 polymorphism and obesity in Portuguese children aged 3 to 11 years», está disponível para consulta aqui.  

19tm37h
10 de Setembro de 2019
1937Pub3f19tm37h

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 EPE estavam em falência técnica no ano passado

Em 2018, metade dos hospitais EPE do país encontrava-se em falência técnica, segundo uma análise do...

06.12.2019

Chefes de cirurgia de Faro recusam fazer urgências a partir de 1 de janeiro

A partir de 1 de janeiro de 2020, os chefes de equipa de Cirurgia do Hospital de Faro vão deixar de...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 Sarampo matou mais de 140 mil pessoas no mundo em 2018

Em 2018, o sarampo foi responsável pela morte de mais de 140.000 pessoas, segundo novas estimativas...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros»

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros, nomeadamente tabaco aquecido. Apre...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

ADSE passa a ser tutelada pelo Ministério da Administração Pública

A ADSE já não é da tutela do Ministério da Saúde. Segundo o regime da organização e funcionamento do...

por Teresa Mendes | 04.12.2019

Esperança de vida em Portugal é maior do que na média dos países da EU

A esperança de vida em Portugal «aumentou substancialmente na última década», nomeadamente com a red...

por Teresa Mendes | 04.12.2019

Ministra inaugurou centro de saúde em Ventosa, Torres Vedras

A ministra da Saúde, Marta Temido, inaugurou esta terça-feira, o centro de saúde de São Mamede da Ve...

por Teresa Mendes | 04.12.2019

Iniciativa apela à liquidação de todas as dívidas com mais de 90 dias a for...

A Apifarma, a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e a Associação Cristã de Empresários e Gest...

por Teresa Mendes | 03.12.2019

 Entre 2016 e 2018 foram introduzidos mais de 150 medicamentos inovadores

O acesso a novos medicamentos no Serviço Nacional de Saúde (SNS) «aumentou de modo significativo, co...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.