ADSE vai limitar financiamento de novos medicamentos para o cancro

11.09.2019

Fármacos não financiados pelo SNS vão precisar de autorização da ADSE
A ADSE vai impor limites ao financiamento de novos medicamentos para o cancro. Numa nota enviada aos hospitais privados no final de agosto, citada pelo jornal Público, a ADSE esclarece que «só pode comparticipar medicamentos para os quais exista decisão de financiamento pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS)».

Numa clarificação às regras dos medicamentos oncológicos, o organismo presidido por Sofia Portela diz que a ADSE apenas pode autorizar o financiamento «em casos imperiosos para a saúde do doente, designadamente quando o mesmo corra risco imediato de vida ou sofrer de complicações graves».

Ainda assim, nestes casos, os prestadores de saúde têm de pedir uma “autorização prévia”, que se torna obrigatória a partir de segunda-feira, dia 16. O pedido deve ser feito a partir da plataforma ADSE Direta.

João Proença, presidente do conselho geral da ADSE, afirma que este mecanismo de autorização prévia está em linha com o que existe noutros subsistemas de saúde e em companhias de seguros.

Ao jornal Público, o economista Eugénio Rosa, vogal do conselho diretivo da ADSE, refere que a despesa com medicamentos oncológicos aumentou 27% no último ano, e afirma que, até ao momento, não havia qualquer controlo: os hospitais privados enviavam a despesa, que era depois reembolsada aos beneficiários.

A ADSE vai impor limites ao financiamento de novos medicamentos para o cancro. Numa nota enviada aos hospitais privados no final de agosto, citada pelo jornal Público, a ADSE esclarece que «só pode comparticipar medicamentos para os quais exista decisão de financiamento pelo Serviço Nacional de Saúde»

À TSF, Helena Rodrigues, dirigente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado, que integra Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, disse que foi marcada para esta quinta-feira uma reunião com o intuito de esclarecer as novas regras de pagamento de medicamentos oncológicos inovadores.

Helena Rodrigues está preocupada com o facto de a ADSE fazer depender de uma autorização prévia o pagamento de novos fármacos para o cancro. «Estamos apreensivos. Estamos a perceber e queremos esclarecer junto do Conselho Geral e de Supervisão que se realiza amanhã o que vai acontecer».

«Não tem havido, até aqui, essas limitações. Não sei como é que elas vão passar a acontecer no futuro», acrescenta a dirigente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado.

19tm37k
11 de Setembro de 2019
1937Pub4f19tm37k

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Pelo menos 5 pessoas morrem a cada minuto devido a erros clínicos

No dia em que celebra o primeiro Dia Mundial para a Segurança do Doente (17 de setembro), a Organiza...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Só os neurónios mais viáveis sobrevivem no desenvolvimento do sistema nervo...

Ao contrário do pensado, não é o acaso que determina quais as células que irão formar o sistema nerv...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

 «Queremos que o hospital saia de portas»

O Governo quer alargar a hospitalização domiciliária a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saú...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.