Testes de rastreio do VIH já podem ser adquiridos nas farmácias e parafarmácias

por Teresa Mendes | 24.09.2019

Dispensa é «acompanhada de informação essencial e clara»
Quase um ano depois de terem sido aprovados, os autotestes de rastreio da infeção por VIH já podem ser dispensados a toda a população nas farmácias ou em locais de venda de medicamentos não sujeitos a prescrição médica, informou esta segunda-feira o Ministério da Saúde.

A dispensa direta destes dispositivos ao público é «acompanhada de informação essencial e clara para que qualquer utente possa realizar o teste, de forma anónima e autónoma, sabendo também interpretar o resultado», destaca um comunicado do Portal do SNS.

Além de informação sobre as medidas a adotar consoante o resultado, o utente poderá também telefonar para o Centro de Contacto SNS 24 (808 24 24 24), que fará o devido aconselhamento e eventual encaminhamento para o hospital que o doente escolher a fim de repetir o teste e, caso se confirme reatividade, passar a ser seguido numa unidade do Serviço Nacional de Saúde.

Também nas farmácias, os profissionais estão habilitados para prestar aconselhamento diferenciado, bem como ajudar na realização do teste, caso o utente o pretenda, esclarece a Tutela.

Com esta medida, o Ministério da Saúde pretende aumentar o rastreio populacional, já que Portugal apresenta ainda uma das mais elevadas incidências de infeção VIH na Europa.

Os testes de autodiagnóstico de rastreio da infeção por VIH já podem ser dispensados a toda a população nas farmácias ou em locais de venda de medicamentos não sujeitos a prescrição médica

«O objetivo é reforçar o cumprimento de uma das metas do programa das Nações Unidas para o VIH/sida (ONUSIDA): diagnosticar 90% dos indivíduos infetados pelo VIH, permitindo que mais pessoas possam conhecer o seu estatuto serológico.

Actualmente, em Portugal, todos os três objetivos das Metas 90-90-90 foram já atingidos», destaca o comunicado. Recorde-se que a dispensa destes autotestes tornou-se possível através do Decreto-Lei n.º 79/2018, de 15 de outubro.  

19tm39h
24 de Setembro de 2019
1939Pub3f19tm39h

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

15.11.2019

Existem enormes disparidades na disponibilização dos fármacos inovadores

Há hospitais portugueses que chegam a demorar até quatro meses a disponibilizar medicamentos inovado...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Lítio pode reverter os danos da radiação após o tratamento de tumores cere...

É sabido que as crianças que receberam radioterapia para um tumor cerebral podem vir a desenvolver p...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Apifarma celebra 80 anos com a presença da ministra da Saúde

As associações Alzheimer Portugal, de Apoio aos Traumatizados Crânio-Encefálicos e Suas Famílias, de...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

«Esperança» é a protagonista da nova campanha da Pulmonale

O cancro do pulmão é um dos tumores malignos que mais mata. Contudo, é também um dos que mais tem be...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

«A maior urgência do país não pode fechar», diz bastonário

Após uma visita esta quarta-feira ao hospital de Santa Maria, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM)...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

Infarmed alarga leque de fármacos com limitações à exportação

O Infarmed atualizou esta quarta-feira a lista de medicamentos abrangidos pela notificação prévia de...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.