Primeiras consultas de MGF podem passar a ter até 60 minutos de duração

por Teresa Mendes | 02.10.2019

Regulamento dos Tempos Padrão das Consultas Médicas publicado no DR
Cerca de dois meses após ter sido aprovado internamente pela Ordem dos Médicos, o Regulamento dos Tempos Padrão das Consultas Médicas foi publicado no Diário da República.
As primeiras consultas de Medicina Geral e Familiar passam a ter um tempo padrão recomendado de 30 a 60 minutos. 

O documento, que será para aplicar tanto no setor público como no privado, define igualmente que as consultas de seguimento nos cuidados de saúde primários marcadas com um intervalo de 12 meses da última terão entre 20 a 30 minutos de tempo recomendado.

Já as consultas por doença aguda têm um tempo padrão recomendado entre 15 e 20 minutos.

Nas consultas de especialidade hospitalar, os maiores tempos padrão nas primeiras consultas verificam-se nas áreas da Genética médica, medicina paliativa, Oncologia médica, Radioncologia, medicina da dor e Psiquiatria da infância e adolescência (60 minutos) 

No caso dos doentes complexos, com comorbilidades e doenças crónicas, o tempo recomendado para as consultas é entre 30 a 60 minutos.

Nas primeiras consultas ao domicílio o tempo padrão é de 60 minutos (não incluindo o tempo de deslocação do médico), o mesmo acontecendo para as consultas a doentes em cuidados paliativos ou em fim de vida.

No que diz respeito às consultas de especialidade hospitalar, os maiores tempos padrão nas primeiras consultas verificam-se nas áreas da Genética médica, medicina paliativa, Oncologia médica, Radioncologia, medicina da dor e Psiquiatria da infância e adolescência (60 minutos), sendo que nesta última área, as primeiras consultas para a primeira infância e as de terapia familiar podem atingir os 90 minutos.

Na Psiquiatria de adultos, o tempo recomendado para as primeiras consultas é de 45 minutos, sendo de meia hora nas restantes consultas subsequentes.
O regulamento pode ser consultado aqui.

19tm40j
02 de Outubro de 2019
1940Pub4f19tm40j

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

15.11.2019

Existem enormes disparidades na disponibilização dos fármacos inovadores

Há hospitais portugueses que chegam a demorar até quatro meses a disponibilizar medicamentos inovado...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Lítio pode reverter os danos da radiação após o tratamento de tumores cere...

É sabido que as crianças que receberam radioterapia para um tumor cerebral podem vir a desenvolver p...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Apifarma celebra 80 anos com a presença da ministra da Saúde

As associações Alzheimer Portugal, de Apoio aos Traumatizados Crânio-Encefálicos e Suas Famílias, de...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

«Esperança» é a protagonista da nova campanha da Pulmonale

O cancro do pulmão é um dos tumores malignos que mais mata. Contudo, é também um dos que mais tem be...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

«A maior urgência do país não pode fechar», diz bastonário

Após uma visita esta quarta-feira ao hospital de Santa Maria, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM)...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

Infarmed alarga leque de fármacos com limitações à exportação

O Infarmed atualizou esta quarta-feira a lista de medicamentos abrangidos pela notificação prévia de...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.