Doentes transplantados pulmonares portugueses sem acesso à reabilitação respiratória

11.10.2019

Dia Europeu da Doação de Órgãos e Transplantes assinalado a 12 de outubro
Na véspera do Dia Europeu da Doação de Órgãos e Transplantes, que se assinala amanhã, a 12 de outubro, a Associação de Transplantados Pulmonares de Portugal (ATPP) alerta para a falta de acesso à reabilitação respiratória, terapêutica decisiva na recuperação pós-transplante de pulmão.

Num comunicado, os doentes denunciam que «existe uma resposta insuficiente da parte dos organismos públicos, com listas de espera longas que acarretam custos avultados a quem opta por realizar o tratamento no privado».

«A reabilitação respiratória é um tratamento recomendado no pré e no pós-transplante, mas nem todos os transplantados pulmonares têm acesso a esta terapia, principalmente após a alta hospitalar», adverte o presidente da ATPP, Manuel Francisco. 

Segundo o responsável, «as listas de espera são demasiado elevadas para quem precisa de cuidados diários a este nível e o Serviço Nacional de Saúde (SNS) não consegue dar uma resposta eficaz».

Dados divulgados pela ATPP indicam que em 2017 foram feitos 34 transplantes pulmonares, mais do dobro de 2015.

«Este aumento do número de transplantes, apesar de positivo, torna difícil a resposta após a alta hospitalar», refere a associação, observando que o Centro Hospitalar Lisboa Central é o único que realiza estes transplantes em Portugal.

«A reabilitação respiratória é um tratamento recomendado no pré e no pós-transplante, mas nem todos os transplantados pulmonares têm acesso a esta terapia, principalmente após a alta hospitalar», adverte o presidente da ATPP

Para o dirigente é «imprescindível» um «maior envolvimento e sensibilização da comunidade médica e dos prestadores de saúde na comunidade para esta problemática», de forma a aumentar a qualidade de vida dos transplantados pulmonares, através de uma referenciação mais eficaz para centros de reabilitação respiratória.

A associação salienta ainda que para fazer face às necessidades previsíveis seria necessário evoluir para a prestação de reabilitação respiratória na comunidade, com outros parceiros, possibilitando a prestação deste serviço em contextos alternativos mais próximos do doente, tais como centros de saúde, a comunidade ou o domicílio, com uma interação continuada entre o doente, o seu médico e as equipas de reabilitação.

19tm41t
11 de Outubro de 2019
1941Pub6f19tm41t

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.02.2020

Trabalho nas juntas médicas pode comprometer resposta ao coronavírus

Ordem dos Médicos, sindicatos e Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública estão preocupados c...

14.02.2020

Exportações em Saúde atingem um máximo histórico de 1,5 mil milhões de euro...

As exportações portuguesas em Saúde atingiram um novo recorde de cerca de 1,5 mil milhões de euros,...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Governo aprova nova PPP no Hospital de Cascais

O Bloco de Esquerda (BE) considera que a decisão do Governo de avançar para uma nova parceria públic...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Gabinete de segurança para profissionais de saúde coordenado por oficial d...

Foi publicado esta quinta-feira o despacho que cria o Gabinete de Segurança para a Prevenção e o Com...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 VIII Congresso Científico ANL debate preocupações da Medicina Laboratorial

Vai decorrer, nos dias 29 e 30 de maio, no Centro de Congresso de S. Rafael, no Algarve, o VIII Cong...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 «Eutanásia e o suicídio assistido não se enquadram na prática da medicina»

Mantendo a decisão de há dois anos, o Conselho Nacional de Ética e Deontologia Médicas (CNEDM) da Or...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.