Receitas manuais terminam a 31 de março de 2020 

por Teresa Mendes | 29.10.2019

Até os médicos inscritos como inadaptados ficarão obrigados a usar o computador
A partir de 31 de março de 2020, todos os médicos e dentistas terão de deixar de prescrever manualmente.
A portaria que vai alterar as exceções previstas na legislação de 2015 que instituiu a prescrição eletrónica médica (PEM) foi publicada hoje no Diário da República.

Desta forma, até mesmo os clínicos que estão inscritos como inadaptados aos sistemas de informação ficarão obrigados a usar o computador ou aplicação no telemóvel para prescreverem medicamentos e produtos de saúde.

De qualquer forma permanecem algumas exceções, podendo a prescrição se feita manualmente nas «situações de falência informática, de indisponibilidade da prescrição através de dispositivos móveis, ou nas situações de prescrição em que o utente não tenha a possibilidade de receber as prescrição desmaterializada ou de a materializar», lê-se na portaria, assinada pelo ex-secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos.

A partir de 31 de março de 2020, até mesmo os clínicos que estão inscritos como inadaptados aos sistemas de informação ficarão obrigados a usar o computador ou aplicação no telemóvel para prescreverem medicamentos e produtos de saúde

De acordo com o Ministério da Saúde é objetivo desta decisão «a produção de informação de gestão que permita o controlo rigoroso da despesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS) no que respeita a medicamentos e produtos de saúde comparticipados pelo Estado».

Além disso, «a eliminação progressiva da prescrição por via manual permite obter ganhos de eficiência para o SNS, não só pela minimização da ocorrência de fraude, mas também através da redução de custos ambientais e económicos associados ao consumo e armazenamento de papel», argumenta o texto da Portaria.

O diploma salienta ainda que a Serviços Partilhados do Ministério da Saúde irá «disponibilizar módulos formativos sobre sistemas de informação e prescrição eletrónica aos prescritores que assim o desejarem», bem como «ações de comunicação e divulgação do conteúdo da presente portaria».

19tm44e
29 de Outubro de 2019
1944Pub3f19tm44e

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 09.04.2020

 OM promove inquérito nacional sobre a identificação da exposição ao SARS-C...

A Ordem dos Médicos (OM) está a promover um inquérito nacional sobre a identificação dos clínicos à...

por Teresa Mendes | 09.04.2020

Grupo CUF não cumpre as normas da DGS sobre Covid-19, denuncia a Fnam

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) acusa o Grupo CUF de não cumprir as normas da Direção-Geral...

por Teresa Mendes | 09.04.2020

 Doença celíaca associada ao aumento da mortalidade prematura

Apesar do aumento da consciencialização sobre a doença celíaca e de um maior acesso a alimentos sem...

por Teresa Mendes | 08.04.2020

 «Se a linha da frente cair, cairemos todos»

A Amnistia Internacional (AI) lançou esta terça-feira, no âmbito do Dia Mundial da Saúde, uma petiçã...

por Teresa Mendes | 08.04.2020

 Insa desenvolve estudo da diversidade genética do Covid-19 em Portugal

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa) está a desenvolver o estudo da diversidade...

por Teresa Mendes | 08.04.2020

 Líderes mundiais do plasma unidos no desenvolvimento de terapêutica contra...

Várias empresas do sector farmacêutico e terapêutico, a nível internacional, juntaram-se para desenv...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.