Falta de técnicos obriga médicos a colher sangue no CHULN há vários meses

05.11.2019

Clínicos acusam o conselho de administração de ignorar o problema 
Há vários meses que a colheita de sangue para análises clínicas no Serviço de Gastroenterologia dos hospitais de Santa Maria e Pulido Valente, em Lisboa, está a ser feita por médicos devido à falta de técnicos.
Enquanto isso, há «macas nos corredores e doentes para dar alta», alerta o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS).

Na notícia, avançada esta segunda-feira pela TSF, os médicos alegam que «o excesso de trabalho está a pôr em causa a prestação de cuidados de saúde» e, por isso, «decidiram deixar de fazer colheitas para obrigar o conselho de administração do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) a contratar».
Os médicos garantem que perdem milhares de horas num trabalho que devia ser feito por técnicos especializados e acusam o conselho de administração do CHULN de ignorar o problema.

À TSF, Nídia Zózimo, do Conselho Fiscalizador do SMZS, fala numa situação insustentável. «Não há técnicos e quem colhe o sangue são os médicos durante uma ou duas horas todas as manhãs, em vez de estarem a ver doentes ou fazer consultas».

«Não há técnicos e quem colhe o sangue são os médicos durante uma ou duas horas todas as manhãs, em vez de estarem a ver doentes ou fazer consultas», conta Nídia Zózimo do SMZS

A representante sindical considera que esta é uma situação «impossível de gerir» quando há «macas nos corredores e doentes para dar alta», sublinhando que colher sangue «não é função médica» e que os cuidados saem prejudicados.

A partir de agora, os médicos só vão realizar colheitas de sangue para analises clínicas em situações de urgência, o que deve provocar atrasos nas altas e em tratamentos não-urgentes. «Os sangues têm de ser colhidos de manhã cedo para que ao final da manhã ou à hora de almoço tenhamos os resultados» para adaptar tratamentos ou dar alta aos doentes, explica Nídia Zózimo.

Sendo que estas atividades levam uma a duas horas, a sindicalista admite que «não é possível» dizer que não vão existir atrasos.

19tm45f
05 de Novembro de 2019
1945Pub2f19tm45f

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Zózimo Zorrinho | 02.07.2020

Filme «Saúde Digestiva by SPG»

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) está a divulgar o filme «Saúde Digestiva by SPG».<b...

por Zózimo Zorrinho | 01.07.2020

Ministra da Saúde reconhece limitações na área da Saúde  Pública

A ministra da Saúde reconheceu esta quarta-feira limitações na área da saúde pública na Região de Li...

por Zózimo Zorrinho | 01.07.2020

21º Congresso do Núcleo de Estudos da Doença Vascular da SPMI

O Núcleo de Estudos da Doença Vascular da SPMI irá realizar o seu 21º Congresso em formato híbrido,...

por Zózimo Zorrinho | 01.07.2020

​ Candidaturas ao Prémio Saúde Sustentável 2020 já estão abertas

Estão abertas, a partir de hoje, as candidaturas para a nona edição do Prémio Saúde Sustentável.  Es...

por Teresa Mendes | 30.06.2020

Miguel Pavão é o novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas 

 Miguel Pavão é novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), sucedendo a Orlando Monteiro d...

por Teresa Mendes | 29.06.2020

Estudo mostra em humanos como as células adiposas humanas são afetadas pela...

O conhecimento da forma como o tecido adiposo humano é afetado pela idade tem sido definido por nume...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Portugal adquire dois milhões de vacinas contra a gripe

Portugal já garantiu a aquisição de dois milhões de vacinas contra a gripe, revelou esta quarta-feir...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Médicos de saúde pública defendem contratação «urgente» de mais profissiona...

O presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública (ANMSP) defendeu esta quinta-feira...

por Teresa Mendes | 25.06.2020

Insa disponibiliza programa para avaliar a qualidade laboratorial do diagnó...

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa) passou a disponibilizar um novo programa d...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.