Médicos portugueses foram os únicos a perder rendimentos em sete anos

por Teresa Mendes | 07.11.2019

Relatório Health at a Glance 2019 compara evolução das remunerações 
Entre 2010 e 2017, os médicos portugueses viram os seus ordenados baixarem, ao contrário do e aconteceu em vários países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE). Este é dos dados que integra o relatório Health at a Glance 2019, publicado esta quinta-feira por esta organização.

O documento mostra a evolução das remunerações entre 2010 e 2017 de médicos especialistas e médicos de família/clínica geral e compara o percurso salarial durante estes anos dos seguintes países: Áustria, Bélgica, Canadá, Estónia, Finlândia, França, Hungria, Israel, Luxemburgo, México e Portugal.

E de entre estes 11 países, só Portugal registou uma descida. Quer médicos de família, como especialistas estavam a ganhar menos em 2017 do que auferiam em 2010: menos 1,3% e menos 0,9% em média por ano, respetivamente.

«Em termos genéricos, a remuneração dos médicos aumentou desde 2010, mas a ritmos diferentes entre os vários países e entre médicos especialistas e clínicos gerais. Na Hungria e na Estónia, quer especialistas quer clínicos gerais tiveram um aumento substancial dos salários nos últimos anos», observa o relatório.

Entre 2010 e 2017, os médicos portugueses viram os seus ordenados baixarem, ao contrário do e aconteceu em vários países OCDE. Este é dos dados que integra o relatório Health at a Glance 2019, publicado esta quinta-feira 

No caso da Hungria, o governo «aumentou substancialmente as remunerações desde 2010, com os rendimentos dos médicos de família, a crescer cerca de 80% entre 2010 e 2017 e o dos especialistas a quase duplicar», com o objetivo de reduzir a escassez e a emigração de clínicos.
A medida teve efeitos. Segundo a OCDE, entre 2017 e 2018 o número de médicos húngaros a pedir o certificado para poder trabalhar no estrangeiro diminuiu mais de 10%.

O relatório completo está disponível aqui.

19tm45n
07 de Novembro de 2019
1945Pub5f19tm45n

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.11.2019

«A maior urgência do país não pode fechar», diz bastonário

Após uma visita esta quarta-feira ao hospital de Santa Maria, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM)...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

Infarmed alarga leque de fármacos com limitações à exportação

O Infarmed atualizou esta quarta-feira a lista de medicamentos abrangidos pela notificação prévia de...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

 DGS cria Task-Force para as Infeções Sexualmente Transmissíveis (IST)

A Direção-Geral da Saúde (DGS) constituiu uma Task-Force para as Infeções Sexualmente Transmissíveis...

por Teresa Mendes | 13.11.2019

Centro Hospitalar de Leiria dispõe de um novo Serviço de Reumatologia

O Centro Hospitalar de Leiria (CHL) dispõe de um novo Serviço de Reumatologia, que visa a prestação...

por Teresa Mendes | 13.11.2019

 «Quando a cabeça não tem juízo» é mote de campanha nacional contra a diabe...

«Quando a cabeça não tem juízo» é o tema da campanha digital que vai ser lançada esta quinta-feira e...

por Teresa Mendes | 13.11.2019

 José Fragata diz que SNS está «à beira do abismo»

 O secretário de Estado da Saúde, António Sales, garantiu esta terça-feira, que a Saúde é «uma prior...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.