Chefes de equipa do SU do CHULN sem condições para assegurar cuidados seguros

por Teresa Mendes | 08.11.2019

Responsáveis entregam minuta de escusa de responsabilidade 
Vinte e um chefes de equipa do Serviço de Urgência (SU) do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Norte (CHULN) «entregaram minutas de escusa de responsabilidade dada a situação atual de carência de médicos», informou esta quinta-feira o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) num comunicado.

Considerando que não há condições para cuidados de saúde de qualidade e em segurança, os médicos recusam assumir «qualquer responsabilidade pelos acidentes ou incidentes» que possam acontecer por causa do que chamam «deficientes e anómalas condições de organização do serviço causadas pela insuficiência dos meios humanos», sublinha o sindicato.

De acordo com a nota à Imprensa, estes 21 chefes de equipa referem que «as equipas escaladas para o SU não cumprem os mínimos recomendados pelo Colégio da Especialidade de Medicina Interna para que seja assegurado o cumprimento das boas práticas clínicas, no período das 20h00 às 8h00 durante os dias da semana e durante as 24 horas dos fins-de-semana e feriados, no que concerne ao número e diferenciação de médicos».

Vinte e um chefes de equipa do Serviço de Urgência do CHULN «entregaram minutas de escusa de responsabilidade dada a situação atual de carência de médicos», informou o Sindicato dos Médicos da Zona Sul 

No mesmo dia o CHULN reconheceu a carência de médicos para assegurar as urgências, mas afirma que ainda foi possível compensar a saída de clínicos, apesar do «relevante esforço» que tem sido feito.

Num comunicado, o CHULN admitiu as «carências existentes», em termos de médicos para a atividade de urgência, mas esclareceu que «mercê do esforço, flexibilidade e incontestável dedicação dos profissionais, é nos fins de semana que se verifica a maior dificuldade em equilibrar a dotação das equipas, pois nos dias úteis, incluindo os períodos noturnos, a articulação entre as equipas permite dotações mais adequadas».

O CHULN lembra que, como unidade hospitalar de referência, incorpora «uma Urgência Polivalente que regista a maior afluência diária da Região de Lisboa e Vale do Tejo, pugnando por assegurar cuidados de saúde de qualidade».

«No contexto das incontornáveis solicitações assistenciais, nomeadamente em contexto de urgência, é preocupação do conselho de administração identificar os constrangimentos e limitações existentes, no sentido de procurar soluções que conduzam à preservação dos elevados níveis de cuidados prestados à população», lê-se ainda no comunicado.

19tm45s
08 de Novembro de 2019
1945Pub6f19tm45s

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.11.2019

«A maior urgência do país não pode fechar», diz bastonário

Após uma visita esta quarta-feira ao hospital de Santa Maria, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM)...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

Infarmed alarga leque de fármacos com limitações à exportação

O Infarmed atualizou esta quarta-feira a lista de medicamentos abrangidos pela notificação prévia de...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

 Portugal tem mais de 600 novos casos de diabetes por cada 100 mil habitant...

 Nos últimos três anos (2016 a 2018) continuou a verificar-se «um número muito elevado de novos caso...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

 DGS cria Task-Force para as Infeções Sexualmente Transmissíveis (IST)

A Direção-Geral da Saúde (DGS) constituiu uma Task-Force para as Infeções Sexualmente Transmissíveis...

por Teresa Mendes | 13.11.2019

Centro Hospitalar de Leiria dispõe de um novo Serviço de Reumatologia

O Centro Hospitalar de Leiria (CHL) dispõe de um novo Serviço de Reumatologia, que visa a prestação...

por Teresa Mendes | 13.11.2019

 «Quando a cabeça não tem juízo» é mote de campanha nacional contra a diabe...

«Quando a cabeça não tem juízo» é o tema da campanha digital que vai ser lançada esta quinta-feira e...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.