Distribuidores obrigados a manter stock mínimo em permanência

por Teresa Mendes | 08.11.2019

Infarmed publica o regulamento de gestão da disponibilidade do medicamento
O Infarmed publicou o regulamento de gestão da disponibilidade do medicamento, que passa a fixar regras, designadamente no que se refere às notificações de faltas ou ruturas de medicamentos. Estão previstos stocks mínimos, que os distribuidores devem dispor em permanência, e a notificação da falta de fármacos num prazo até 24 horas.

Divulgado esta quinta-feira no site do Infarmed, o regulamento foi aprovado em outubro após ter estado disponível para consulta durante o mês de setembro.
Além de prever as quantidades mínimas de medicamentos que os distribuidores grossistas devem dispor permanentemente, vem determina os procedimentos de notificação da falta ou rutura de fármacos.

O Infarmed publicou o regulamento de gestão da disponibilidade do medicamento. Estão previstos stocks mínimos, que os distribuidores devem dispor em permanência, e a notificação da falta de fármacos num prazo até 24 horas

Segundo o regulamento, a notificação da falta de medicamento por farmácias, distribuidores e titulares de autorização no mercado «deve ser feita até 24 horas após a tomada de conhecimento», devendo as entidades «manter evidência das diligências efetuadas com vista à obtenção do fornecimento junto dos restantes intervenientes no circuito do medicamento», pode ler-se no documento.

Já no caso de rutura, devem os titulares de autorização de introdução do medicamento no mercado notificar o Infarmed com «a antecedência mínima de dois meses em relação à data prevista para início da indisponibilidade» do fármaco no circuito de distribuição, «salvo casos de urgência devidamente justificada».

Além disso, os distribuidores grossistas devem «manter um stock mínimo» de medicamentos em permanência, não inferior à média mensal das encomendas das farmácias e outras entidades habilitadas a dispensar fármacos.
    
19tm45r
08 de Novembro de 2019
1945Pub6f19tm45r

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.02.2020

«Governo menospreza a negociação com os sindicatos médicos»

Os sindicatos médicos saíram esta segunda-feira desiludidos da primeira reunião negocial com a tutel...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

 Eutanásia «viola a relação médico-doente», reafirma Miguel Guimarães

A Ordem dos Médicos (OM) voltou esta segunda-feira a manifestar-se contra a prática da eutanásia, ar...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

Criada comissão para elaborar proposta para uma Lei da Saúde Pública

O Ministério da Saúde criou uma Comissão para elaborar uma proposta de Reforma da Saúde Pública e Su...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

USF da Alta de Lisboa e Alto dos Moinhos concluídas dentro de ano e meio

A ministra da Saúde lançou esta segunda-feira a primeira pedra das novas unidades de saúde familiar...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Generalização do modelo USF? Sim, mas mantendo os critérios diferenciadore...

A Associação Nacional das Unidades de Saúde Familiar (USF-AN) diz-se satisfeita com a intenção do pr...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

1.º Congresso Internacional de Cuidados Continuados e Paliativos 

  O Centro de Estudos e Desenvolvimento de Cuidados Continuados e Paliativos (CEDCCP) da Faculdade d...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Doença renal crónica, uma ameaça crescente contra a saúde pública global

A taxa de mortalidade por doença renal crónica (DRC) deve aumentar nos próximos anos, a menos que ma...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.