Doentes devem ser informados «das recusas do Infarmed», defendem oncologistas

por Teresa Mendes | 08.11.2019

Especialistas querem ter «uma voz mais forte» no Infarmed
Os médicos oncologistas defendem de forma «unânime» que o Colégio da Especialidade de Oncologia Médica da Ordem dos Médicos (OM) tenha «uma voz mais forte no Infarmed e que exista mais transparência em todo o processo» de acesso a medicamentos inovadores.

Segundo aqueles profissionais, esta é uma medida fundamental para «evitar que o Ministério da Saúde continue a esconder em supostas decisões técnicas aquilo que são, na realidade, decisões tomadas por motivos financeiros». 

Esta tomada de posição acontece na sequência de duas reuniões, que decorreram em outubro, e que juntaram médicos oncologistas de todo o país nas instalações na OM, em Lisboa e no Porto, informa a OM num comunicado.

Outra medida defendida por «muitos dos oncologistas presentes» é «os médicos passarem a partilhar com os doentes as recusas do Infarmed e de documentarem todos os casos, para que não subsistam dúvidas de que a decisão tomada contrariou o que foi proposto pelo grupo que acompanha o doente», lê-se na nota à Imprensa.

O bastonário da OM, presente em ambos os encontros, alertou que os obstáculos colocados pelas barreiras referidas e as decisões negativas ou empatadas adotadas para a aprovação de medicamentos com ação antitumoral têm colocado vários doentes em risco de vida e «obrigado» vários médicos oncologistas a delinearem planos de cuidados diversos dos esperados pelas leges artis, como plano de atuação contingente.

Uma medida defendida pelos especialistas é «os médicos passarem a partilhar com os doentes as recusas do Infarmed e de documentarem todos os casos, para que não subsistam dúvidas de que a decisão tomada contrariou o que foi proposto pelo grupo que acompanha o doente»

De facto, foram as crescentes dificuldades de acesso a tratamentos inovadores para doentes oncológicos, bem como uma carta assinada pelo presidente do Colégio da Especialidade de Oncologia Médica e dirigida ao bastonário da OM, que estiveram na origem destes dois encontros.

Luís Costa, na missiva, dava conta de um excessivo número de barreiras e de pareceres negativos por parte do Infarmed, que contrariavam as decisões das equipas médicas, impossibilitando os doentes de terem acesso à melhor evidência científica disponível.

19tm45q
08 de Novembro de 2019
1945Pub6f19tm45q

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 26.05.2020

Covid-19: Hospitais de campanha ficam isentos do pagamento da taxa à ERS

O Governo já decidiu: Os hospitais de campanha, criados no âmbito da resposta à epidemia por SARS-Co...

por Teresa Mendes | 26.05.2020

SPEDM defende inclusão da análise à função tiroideia no rastreio da mulher...

O Grupo de Estudos da Tiroide (GET) da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolism...

por Teresa Mendes | 26.05.2020

Fundação Portuguesa de Cardiologia apela à demonstração de afetos virtuais 

 Campanha inserida no mês dedicado à sensibilização para as doenças do coração<br /> Fundação Portu...

25.05.2020

Governo avalia incentivos financeiros para recuperar atos médicos cancelado...

A ministra da Saúde adiantou este sábado que o Governo está a estudar incentivos financeiros que per...

por Teresa Mendes | 25.05.2020

Insa promove estudo sobre saúde mental e bem-estar em tempos de pandemia 

 O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa) está a promover um estudo para avaliar o...

por Teresa Mendes | 25.05.2020

Quase 20% dos doentes com Covid-19 recuperados permanecem internados 

 Quase 20% dos doentes com Covid-19 recuperados permanecem internados por falta de resposta social....

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.