Sub-Região de Setúbal da OM propõe que Medicina de Urgência seja especialidade

por Teresa Mendes | 12.11.2019

Solução permite acolher «os médicos que ficam fora das vagas» 
A Sub-Região de Setúbal da Ordem dos Médicos (OM) propõe que a Medicina de Urgência se torne uma especialidade. Segundo este organismo, esta seria uma das soluções para melhorar os Serviços de Urgência e conseguir, simultaneamente, congregar «os médicos que ficam foras das vagas das especialidades existentes».

«Dignificar a atividade de urgência, profissionalizando-a, proporcionando uma estrutura de serviço, com formação contínua e evolução na carreira, motivaria de certeza muitos colegas e enveredarem por esse caminho», defende aquela Sub-Região num artigo de opinião assinado pelo seu presidente, Daniel Travancinha, bem como por Gabriel Paiva de Oliveira, também daquele Conselho Sub-Regional de Setúbal, publicado recentemente no boletim Medi.com sobre o «Caos nas urgências hospitalares da metrópole de Setúbal».

Outras das medidas propostas por esta Sub-Região passam por «reorganizar outras áreas clínicas críticas, centralizando recursos, de forma a garantir a capacidade de assegurar atendimento urgente numa lógica de urgência metropolitana», criando «um sistema de incentivos e condições de trabalho dignas».

A Sub-Região de Setúbal da Ordem dos Médicos propõe que a Medicina de Urgência se torne uma especialidade. Segundo este organismo, esta seria uma das soluções para melhorar os Serviços de Urgência e conseguir, simultaneamente, congregar «os médicos que ficam foras das vagas das especialidades existentes»

Paralelamente, os autores do artigo defendem a continuação da «aposta nas USF modelo B, com melhoramento das condições, motivação e formação como padrão de saúde primária» e ainda «considerar descentralizar o atendimento de algumas especialidades do âmbito hospitalar para o contexto de saúde comunitária».

Estas são algumas das soluções propostas para tentar colmatar a situação atual, na qual, elegam, «os médicos são escravos onde outrora tiveram prazer em trabalhar» e «prisioneiros de uma triagem cega, de um sistema informático que, em vez de os potenciar, os oprime».

19tm46g
12 de Novembro de 2019
1946Pub3f19tm46g

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.02.2020

«Governo menospreza a negociação com os sindicatos médicos»

Os sindicatos médicos saíram esta segunda-feira desiludidos da primeira reunião negocial com a tutel...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

Criada comissão para elaborar proposta para uma Lei da Saúde Pública

O Ministério da Saúde criou uma Comissão para elaborar uma proposta de Reforma da Saúde Pública e Su...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

USF da Alta de Lisboa e Alto dos Moinhos concluídas dentro de ano e meio

A ministra da Saúde lançou esta segunda-feira a primeira pedra das novas unidades de saúde familiar...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Generalização do modelo USF? Sim, mas mantendo os critérios diferenciadore...

A Associação Nacional das Unidades de Saúde Familiar (USF-AN) diz-se satisfeita com a intenção do pr...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44%

A utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44% entre 2009 e 2018. O consumo c...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

1.º Congresso Internacional de Cuidados Continuados e Paliativos 

  O Centro de Estudos e Desenvolvimento de Cuidados Continuados e Paliativos (CEDCCP) da Faculdade d...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Doença renal crónica, uma ameaça crescente contra a saúde pública global

A taxa de mortalidade por doença renal crónica (DRC) deve aumentar nos próximos anos, a menos que ma...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.