«A maior urgência do país não pode fechar», diz bastonário

por Teresa Mendes | 14.11.2019

Médicos devem ser pagos «como se paga às empresas prestadoras de serviços»
Após uma visita esta quarta-feira ao hospital de Santa Maria, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM) defendeu uma solução célere para a situação «preocupante» do Serviço de Urgências. «A maior urgência do país não pode fechar», disse aos jornalistas Miguel Guimarães.

Segundo o dirigente, «as equipas que existem têm falta de especialistas», considerando que tem de ser ouvido o «grito de alerta» dos 21 chefes de equipa do Serviço de Urgência (SU) do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) que no passado dia 6 de novembro entregaram minutas de escusa de responsabilidade dada a situação atual de carência de recursos humanos médicos, afirmando que «não estão reunidas as condições para a prestação de cuidados de saúde de qualidade e com a necessária segurança, que permitam assegurar o exercício da profissão segundo a legis artis».

Após uma visita esta quarta-feira ao hospital de Santa Maria, o bastonário da Ordem dos Médicos defendeu uma solução célere para o situação «preocupante» do Serviço de Urgências de Lisboa Norte. «A maior urgência do país não pode fechar», disse aos jornalistas Miguel Guimarães

«Quer esta urgência (do Santa Maria) quer a urgência de São José (com 300 a 400 pessoas por dia) têm que se manter abertas, servem uma população imensa», observou o bastonário da OM, que sugeriu avançar, desde já com a reposição das 12 horas dos turnos de trabalho na urgência (atualmente são 18) e fazer com que haja mais horas de trabalho efetivo contadas como extraordinárias.

Além disso, Miguel Guimarães considerou que este trabalho deve ser pago «como se paga às empresas prestadoras de serviços».

A solução de fundo será «contratar mais médicos e tornar mais atrativo o trabalho nos hospitais para os jovens especialistas».

Rotações mais curtas nas escalas

Entretanto, o conselho de administração do CHULN, que se reuniu com o bastonário, emitiu um comunicado, dizendo que «avançou com medidas que estão a ser trabalhadas em articulação com o Ministério da Saúde para resolver os problemas nas escalas noturnas e de fim de semana identificados em reuniões com os chefes de equipa». 

Entre estas está a «reorganização interna das equipas para resolver assimetrias no número de médicos ao serviço e fazer rotações mais curtas nas escalas para responder às exigências da Urgência Polivalente», o «reforço do número de médicos de cada uma das equipas fixas da Urgência» e «apostar no reforço da especialidade de Medicina Interna».
    
19tm46m
14 de Novembro de 2019
1946Pub5f19tm46m

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.02.2020

«Governo menospreza a negociação com os sindicatos médicos»

Os sindicatos médicos saíram esta segunda-feira desiludidos da primeira reunião negocial com a tutel...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

Criada comissão para elaborar proposta para uma Lei da Saúde Pública

O Ministério da Saúde criou uma Comissão para elaborar uma proposta de Reforma da Saúde Pública e Su...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

USF da Alta de Lisboa e Alto dos Moinhos concluídas dentro de ano e meio

A ministra da Saúde lançou esta segunda-feira a primeira pedra das novas unidades de saúde familiar...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Generalização do modelo USF? Sim, mas mantendo os critérios diferenciadore...

A Associação Nacional das Unidades de Saúde Familiar (USF-AN) diz-se satisfeita com a intenção do pr...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44%

A utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44% entre 2009 e 2018. O consumo c...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

1.º Congresso Internacional de Cuidados Continuados e Paliativos 

  O Centro de Estudos e Desenvolvimento de Cuidados Continuados e Paliativos (CEDCCP) da Faculdade d...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Doença renal crónica, uma ameaça crescente contra a saúde pública global

A taxa de mortalidade por doença renal crónica (DRC) deve aumentar nos próximos anos, a menos que ma...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.