Número de interrupções de gravidez desceu 4% 

por Teresa Mendes | 02.01.2020

Relatório da DGS relativo a 2018 
O número de interrupções de gravidez por opção da mulher nas primeiras 10 semanas diminuiu 4% em 2018 relativamente a 2017, revela um relatório da Direção-Geral de Saúde (DGS) divulgado esta terça-feira que também mostra uma «tendência decrescente» desde 2011.

Segundo o documento, intitulado «Relatório dos Registos das Interrupções da Gravidez – 2018», em 2018 foram realizadas 14.928 interrupções de gravidez ao abrigo do artigo 142.º do Código Penal que prevê cinco motivos de exclusão de ilicitude de aborto, sendo que o que o que teve mais registos foi o «por opção da mulher até às 10 semanas» com 14.306 casos, o que corresponde a 95,83% do total.

Também são considerados pela lei portuguesa «motivos de exclusão de ilicitude de aborto» o facto deste poder ser «o único meio de remover perigo de morte ou grave lesão para o corpo ou para a saúde física ou psíquica da grávida» (quatro casos - 0,03% face ao total), bem como «evitar perigo de morte ou grave e duradoura lesão para a saúde física ou psíquica da grávida» (87 casos - 0,58%).

A interrupção da gravidez por esta ter resultado de crime contra a liberdade e autodeterminação sexual da mulher registou oito casos (0,05%) no ano passado, enquanto por «grave doença ou malformação congénita do nascituro» foi o segundo motivo que registou mais casos com 523 (3,50%).

O número de interrupções de gravidez por opção da mulher nas primeiras 10 semanas diminuiu 4% em 2018 relativamente a 2017, revela um relatório da Direção-Geral de Saúde (DGS) 

A DGS aponta, nas considerações finais deste relatório, que «o número total de interrupções de gravidez e o número realizado por opção da mulher nas primeiras 10 semanas de gravidez, apresentam ambos tendência decrescente desde 2011, quer quando se consideram números absolutos, quer quando se pondera pela população feminina residente em Portugal».

Já os números de 2018, em comparação com o ano anterior, registam uma diminuição de 3,8%, sendo que o número de interrupções de gravidez realizadas nas primeiras 10 semanas no ano passado registou uma diminuição de 4 % relativamente ao número registado em 2017.

A DGS adverte, no entanto, que «no mesmo período estima-se que a população fértil feminina [com idades entre os 13 e os 49 anos] tenha reduzido 0,77%».
«O número de interrupções realizadas em território nacional, quando analisado comparativamente a outros países europeus, tem-se situado sempre abaixo da média europeia» é outra das conclusões do relatório.

Quanto à distribuição dos casos de interrupções voluntarias por regiões de saúde e por área de residência da mulher, este relatório revela que estes são mais frequentes na região de Lisboa e Vale do Tejo (58,8%) e no Norte (19,9%).
No que respeita ao grupo etário que realizou maior número interrupções de gravidez, este, diz o relatório, continua a ser o dos 20/24 anos de idade, com um registo que corresponde a 1.260 interrupções por 100.000 mulheres.

Segue-se o grupo de mulheres com idades entre os 25 e os 29 anos (1.230 por 100.000).
No campo etário, a DGS aponta, ainda, que em 2018 aproximadamente 56% das gravidezes em menores de 15 anos terminou em interrupção, uma percentagem que foi de 40% em gravidezes ocorridas entre os 15 e os 19 anos.

Para saber mais consulte aqui o relatório.

20tm01c
02 de Janeiro de 2020
2001Pub2f20tm01c

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 27.03.2020

 Ordens da saúde pedem ao primeiro-ministro reforço da proteção dos profiss...

As ordens dos Médicos, dos Farmacêuticos e dos Enfermeiros enviaram esta quarta-feira uma carta aber...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

Conselho de Escolas Médicas Portuguesas defende realização maciça de testes

O Conselho de Escolas Médicas Portuguesas (CEMP) defende o uso generalizado de máscaras pela comunid...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

ARSLVT abre 35 áreas dedicadas à Covid-19 nos cuidados saúde primários

Atendendo ao alargamento progressivo da expressão geográfica da pandemia Covid-19 em Portugal, e ten...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

Apifarma cria linha de apoio financeiro para profissionais de saúde

A Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma), em articulação com a Ordem dos Médicos...

por Teresa Mendes | 26.03.2020

 Internos de MGF pedem «suspensão de todos os estágios e formações hospital...

Os internos de Medicina Geral e Familiar (MGF) pedem, em comunicado conjunto das associações e comis...

por Teresa Mendes | 26.03.2020

 «Há outras vidas a salvar», alerta Carlos Cortes

Devido ao foco na pandemia por Covid-19, os doentes oncológicos «estão a ficar para trás» e a ativid...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.