Pessoas que dormem mal correm maior risco de desenvolver Alzheimer

por Teresa Mendes | 10.01.2020

Estudo detecta mudanças na estrutura e cognição 
As pessoas que dormem mal apresentam alterações no desempenho cognitivo e na estrutura do cérebro, principalmente na substância branca e em algumas regiões afetadas nos estágios iniciais da doença de Alzheimer. Esta é a principal conclusão de uma investigação do Barcelonaβeta Brain Research Center (BBRC), o centro de investigação da Fundação Pasqual Maragall.
 
No estudo, intitulado «Association between insomnia and cognitive performance, gray matter volume, and white matter microstructure in cognitively unimpaired adults», cujos resultados foram publicados esta terça-feira na revista Alzheimer's Research and Therapy, os investigadores analisaram o desempenho cognitivo de pessoas com insónias e compararam esse desempenho com o de pessoas com sono normal.

As pessoas que dormem mal apresentam alterações no desempenho cognitivo e na estrutura do cérebro, principalmente na substância branca e em algumas regiões afetadas nos estágios iniciais da doença de Alzheimer

«Os resultados mostram que a insónia está associada a piores resultados nos testes cognitivos. Em particular, descreveram uma redução em algumas funções executivas, como memória de trabalho.», lê-se numa nota à Imprensa.

Por outro lado, e através da realização de ressonância magnética, o estudo mostra que «os participantes com insónias têm um volume menor em algumas regiões do cérebro, nomeadamente o precuneus ou o córtex cingulado posterior, que são afetadas nos estágios iniciais da doença». 

Não é a primeira vez que os cientistas fazem uma associação entre o sono e a doença de Alzheimer. Em 2018, um outro estudo também já tinha estabelecido a mesma correlação.

O presente estudo também encontrou alterações na substância branca do cérebro usando imagens ponderadas por difusão. «Esses achados sugerem a presença de processos de inflamação cerebral que podem ter um papel importante na associação entre a qualidade do sono e a doença de Alzheimer», destaca Oriol Grau, primeiro autor do estudo. 

A publicação desses resultados abre as portas para uma nova linha de investigação que ainda não foi explorada e ajudará a entender a relação entre neuroinflamação, sono e demência.

Os investigadores analisaram igualmente a relação entre insónia e a variante genética APOE-ε4. O gene APOE tem três variantes possíveis ou alelos (ε2, ε3 e ε4) e a variante ε4 confere maior risco de Alzheimer.

Os resultados revelam que «os efeitos da insónia no cérebro estão aumentados em pessoas portadoras de APOE-ε4 e, portanto, apresentam um maior risco de desenvolver a doença».

20tm02s
10 de Janeiro de 2020
2002Pub6f20tm02s

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.01.2020

Falta qualidade nos dados nos registos de saúde em Portugal

Documentação incompleta, indisponibilidade de materiais e recursos para auxiliar o processo de codif...

por Teresa Mendes | 24.01.2020

 USF Cortes de Almeirim dá médico de família a 2000 utentes

Foi inaugurada esta sexta-feira, a Unidade de Saúde Familiar (USF) Cortes de Almeirim. A cerimónia c...

por Teresa Mendes | 24.01.2020

Poderemos vir a ser amortais?»

A presidente do Instituto de Medicina Molecular, Maria Carmo-Fonseca, é a oradora da próxima FMUL Ta...

por Teresa Mendes | 23.01.2020

Nomeados os membros da Direção da Competência em Ecografia Obstétrica Difer...

 Já estão nomeados todos os membros da Direção do Colégio da Competência em Ecografia Obstétrica Dif...

por Teresa Mendes | 23.01.2020

 Deixar de fumar um mês antes de uma cirurgia permite melhor recuperação

Os fumadores que deixem de fumar pelo menos um mês antes de uma cirurgia têm menores probabilidades...

23.01.2020

Coronavírus: Portugal activa os dispositivos de saúde pública de prevenção

Portugal já ativou os dispositivos de saúde pública de prevenção ao coronavírus proveniente da China...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.