Ordem dos Médicos quer acolher mais ensaios clínicos em Portugal

foto de "DR" | 13.01.2020

Bastonário já apresentou proposta ao Ministério da Economia 
A Ordem dos Médicos (OM) quer agilizar a aprovação de ensaios clínicos em Portugal para que o país passe dos atuais 100 milhões para 700 milhões de euros captados nesta área e já apresentou uma proposta ao Ministério da Economia.

Esta é uma das medidas que consta do programa de Miguel Guimarães, que se recandidata ao cargo de bastonário da Ordem dos Médicos nas eleições de 16 de janeiro.
Em entrevista à agência Lusa esta segunda-feira, Miguel Guimarães sublinha a necessidade de ter mais laboratórios farmacêuticos internacionais a apostar em Portugal e diz que, para que isso aconteça, é preciso agilizar o processo e eliminar «várias das barreiras que existem para que os protocolos sejam aprovados».

«Se o laboratório tem um determinado estudo que é importante fazer em vários países europeus e se, em Portugal, aquilo que é a aprovação da Comissão de Ética demorar seis, sete ou oito meses, é evidente que acaba por não vir para Portugal e incluir mais doentes num outro país, como, por exemplo, a Bélgica», exemplifica.

A Ordem dos Médicos quer agilizar a aprovação de ensaios clínicos em Portugal para que o país passe dos atuais 100 milhões para 700 milhões de euros captados nesta área e já apresentou uma proposta ao Ministério da Economia 

Miguel Guimarães sublinha que Portugal, com cerca de 10 milhões de habitantes, tem conseguido em termos de investigação clínica perto de 100 milhões de euros e, destes, quase metade são de um laboratório português, a Bial.

«Os laboratórios estrangeiros estão a investir muito pouco em Portugal (…) Temos de ter a ambição de poder chegar perto dos 700 milhões de euros», defendeu o bastonário, sublinhando tratar-se de uma questão em que todos ganham.

«Os ensaios clínicos têm benefícios diretos para os hospitais onde for feita a investigação (…) têm benefícios para quem participar na investigação – pois as próprias regras preveem que quem participa nesta investigação fora do seu horário normal de trabalho tem também uma remuneração especial – e têm benefício amplo para os doentes, que podem ter acesso, de forma gratuita, a medicações que têm um potencial de cura ou de melhorar a qualidade de vida e a sobrevida muito superior ao normal», afirmou.

Questionado sobre como pretende chegar aos 700 milhões em investigação clínica (o equivalente à Bélgica), sete vezes mais do que o valor atual, Miguel Guimarães reconheceu que é uma tarefa que «não se faz de um dia para o outro» e frisou: «Se a Bélgica, que tem características muito semelhantes a nós, tem capacidade deste ‘income’, nós também podemos ter.»

«Não temos é de um ano para o outro, mas é possível, se nos tornarmos mais atrativos para aquilo que é a aposta da indústria farmacêutica, o investimento da indústria farmacêutica, ou seja, podermos fazer investigação clínica dos grandes ensaios, daqueles que são por vezes disruptivos para tratamentos de determinadas doenças. Se temos esta possibilidade, devemos utilizá-la», acrescentou. 

20tm03d
13 de Janeiro de 2020
2003Pub2f20tm03d

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.01.2020

Falta qualidade nos dados nos registos de saúde em Portugal

Documentação incompleta, indisponibilidade de materiais e recursos para auxiliar o processo de codif...

por Teresa Mendes | 24.01.2020

 USF Cortes de Almeirim dá médico de família a 2000 utentes

Foi inaugurada esta sexta-feira, a Unidade de Saúde Familiar (USF) Cortes de Almeirim. A cerimónia c...

por Teresa Mendes | 24.01.2020

Poderemos vir a ser amortais?»

A presidente do Instituto de Medicina Molecular, Maria Carmo-Fonseca, é a oradora da próxima FMUL Ta...

por Teresa Mendes | 23.01.2020

 Deixar de fumar um mês antes de uma cirurgia permite melhor recuperação

Os fumadores que deixem de fumar pelo menos um mês antes de uma cirurgia têm menores probabilidades...

23.01.2020

Coronavírus: Portugal activa os dispositivos de saúde pública de prevenção

Portugal já ativou os dispositivos de saúde pública de prevenção ao coronavírus proveniente da China...

por Teresa Mendes | 22.01.2020

 Sindicato denuncia falta de recursos humanos nas maternidades de Coimbra

 O Sindicato dos Médicos da Zona Centro (SMZC) considerou esta terça-feira, após uma visita às mater...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.