Falta qualidade nos dados nos registos de saúde em Portugal

por Teresa Mendes | 24.01.2020

Estudo de investigadores da FMUP e do Cintesis 
Documentação incompleta, indisponibilidade de materiais e recursos para auxiliar o processo de codificação e falta de clareza nos registos.
Foram estes alguns dos problemas encontrados por uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e do Cintesis, no âmbito de um estudo em que alerta para a falta de qualidade dos dados nos registos de saúde em Portugal.

«A falta de qualidade dos dados clínicos pode comprometer a comunicação entre os profissionais de saúde, bem como o acesso correto ao diagnóstico do paciente», salienta Vera Pires num comunicado divulgado esta quinta-feira pelas duas instituições.
A investigadora principal do estudo lembra ainda que «a recolha e o armazenamento destes dados são essenciais para os tratamentos futuros aos pacientes».

Segundo os investigadores, «os clínicos estão pouco sensibilizados para a importância destes registos na atividade de codificação» e o estudo em causa, publicado na revista científica Health Information Management Journal levanta algumas questões quanto à documentação incompleta que pode prejudicar o processo de codificação.

«A falta de qualidade dos dados clínicos pode comprometer a comunicação entre os profissionais de saúde, bem como o acesso correto ao diagnóstico do paciente», salienta Vera Pires, investigadora principal do estudo

«De facto, a existência de erros no processo de codificação, como a ausência de notas de alta e relatórios de operatório, não permitem o acesso correto ao diagnóstico do paciente», comenta Alberto Freitas, coordenador do estudo, docente da FMUP e investigador do Cintesis – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde.

Neste estudo, os investigadores apresentam também um conjunto de soluções para melhorar a qualidade dos registos de saúde, que passam por «utilizar padrões mais concisos e promover auditorias externas».

Recorde-se que a codificação clínica é o processo de transformação das informações contidas nos registos de saúde sobre doenças em códigos numéricos ou alfanuméricos.

Os registos de saúde representam uma fonte de dados sobre o estado de saúde do paciente, de doenças, de progressão da doença, entre outros. Têm a função de ajudar os profissionais de saúde na prestação dos cuidados, constituindo um suporte clínico e legal.

20tm04q
24 de Janeiro de 2020
2004Pub6f20tm04q

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.02.2020

Trabalho nas juntas médicas pode comprometer resposta ao coronavírus

Ordem dos Médicos, sindicatos e Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública estão preocupados c...

14.02.2020

Exportações em Saúde atingem um máximo histórico de 1,5 mil milhões de euro...

As exportações portuguesas em Saúde atingiram um novo recorde de cerca de 1,5 mil milhões de euros,...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Governo aprova nova PPP no Hospital de Cascais

O Bloco de Esquerda (BE) considera que a decisão do Governo de avançar para uma nova parceria públic...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 VIII Congresso Científico ANL debate preocupações da Medicina Laboratorial

Vai decorrer, nos dias 29 e 30 de maio, no Centro de Congresso de S. Rafael, no Algarve, o VIII Cong...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 Enfarte do miocárdio atinge 15 mil portugueses todos os anos

Nas vésperas do Dia Nacional do Doente Coronário, que se assinala a 14 de fevereiro, a Sociedade Por...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 «Eutanásia e o suicídio assistido não se enquadram na prática da medicina»

Mantendo a decisão de há dois anos, o Conselho Nacional de Ética e Deontologia Médicas (CNEDM) da Or...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.