Falta qualidade nos dados nos registos de saúde em Portugal

por Teresa Mendes | 24.01.2020

Estudo de investigadores da FMUP e do Cintesis 
Documentação incompleta, indisponibilidade de materiais e recursos para auxiliar o processo de codificação e falta de clareza nos registos.
Foram estes alguns dos problemas encontrados por uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e do Cintesis, no âmbito de um estudo em que alerta para a falta de qualidade dos dados nos registos de saúde em Portugal.

«A falta de qualidade dos dados clínicos pode comprometer a comunicação entre os profissionais de saúde, bem como o acesso correto ao diagnóstico do paciente», salienta Vera Pires num comunicado divulgado esta quinta-feira pelas duas instituições.
A investigadora principal do estudo lembra ainda que «a recolha e o armazenamento destes dados são essenciais para os tratamentos futuros aos pacientes».

Segundo os investigadores, «os clínicos estão pouco sensibilizados para a importância destes registos na atividade de codificação» e o estudo em causa, publicado na revista científica Health Information Management Journal levanta algumas questões quanto à documentação incompleta que pode prejudicar o processo de codificação.

«A falta de qualidade dos dados clínicos pode comprometer a comunicação entre os profissionais de saúde, bem como o acesso correto ao diagnóstico do paciente», salienta Vera Pires, investigadora principal do estudo

«De facto, a existência de erros no processo de codificação, como a ausência de notas de alta e relatórios de operatório, não permitem o acesso correto ao diagnóstico do paciente», comenta Alberto Freitas, coordenador do estudo, docente da FMUP e investigador do Cintesis – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde.

Neste estudo, os investigadores apresentam também um conjunto de soluções para melhorar a qualidade dos registos de saúde, que passam por «utilizar padrões mais concisos e promover auditorias externas».

Recorde-se que a codificação clínica é o processo de transformação das informações contidas nos registos de saúde sobre doenças em códigos numéricos ou alfanuméricos.

Os registos de saúde representam uma fonte de dados sobre o estado de saúde do paciente, de doenças, de progressão da doença, entre outros. Têm a função de ajudar os profissionais de saúde na prestação dos cuidados, constituindo um suporte clínico e legal.

20tm04q
24 de Janeiro de 2020
2004Pub6f20tm04q

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 03.04.2020

 Adiada a desmaterialização total da prescrição para 31 de dezembro de 2020

O fim total da prescrição manual previsto para 31 de março foi hoje adiado pelo Governo para 31 de d...

por Teresa Mendes | 03.04.2020

 Ordem dos Médicos e AEP apresentam proposta para hospital de campanha

A Associação Empresarial de Portugal (AEP) e a Ordem dos Médicos (OM) apresentaram ao Ministério da...

por Teresa Mendes | 03.04.2020

Profissionais de saúde do SNS impedidos de cessar contratos de trabalho 

A cessação dos contratos de trabalho dos profissionais de saúde do Serviço Nacional de Saúde (SNS) v...

por Teresa Mendes | 02.04.2020

 Médicos, enfermeiros e técnicos vão pagar menos pela eletricidade em abril...

A EDP Comercial anunciou esta quarta-feira que está a preparar um pacote de ofertas para reforçar o...

por Teresa Mendes | 02.04.2020

Luz verde para estudo experimental com uso de plasma de doentes recuperados

Cerca de 30 doentes com Covid-19 no Hospital Universitário Karolinska vão poder em breve começar a r...

por Teresa Mendes | 02.04.2020

 FMUL promove ciclo de e-Talks durante o mês de abril

A Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL) promove durante todo o mês de abril uma sér...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.