Médicos e professores deviam ganhar mais do que juízes e deputados

foto de "DR" | 04.02.2020

Conclusão de um estudo da Intercampus
Um estudo da Intercampus para o Jornal de Negócios mostra a preferência dos portugueses por melhores salários dos profissionais de saúde e professores. Mais de 70% das pessoas inquiridas consideram que os médicos (38,9%) ou professores (31,8%) deviam ganhar mais do que juízes (4,2%) ou deputados (1,6%). Já 8,1% considerou que deviam ganhar «todos por igual».

Segundo o estudo, divulgado ontem, esta subida salarial dos médicos é, sobretudo, apoiada na zona de Lisboa e entre as classes mais baixas. De acordo informações prestadas pela Ordem dos Médicos, um recém-diplomado ganha cerca de 1.143 euros líquidos e, após completar a especialidade, enquanto assistente, 1.772 euros no regime de 40 horas semanais.

Excluindo as chefias de serviço, o topo da carreira é como assistente graduado, com os valores a subir até 2.136 euros.

«No entanto, com os congelamentos na Função Pública os médicos têm sido afetados de duas formas: raramente existem concursos que permitam subir de categoria e, mesmo dentro da mesma categoria, na prática não acedem às posições remuneratórias mais altas», sublinha o organismo liderado por Miguel Guimarães, citado pela Executive Digest.

Mais de 70% das pessoas inquiridas consideram que os médicos (38,9%) ou professores (31,8%) deviam ganhar mais do que juízes (4,2%) ou deputados (1,6%)

Quanto aos professores, que são mais apoiados na zona Centro e pelas classes média e alta, a Federação Nacional dos Professores diz que o que consta nas tabelas nem sempre coincide com a realidade.
Os contratados e no primeiro escalão, correspondente ao início de carreira, têm um vencimento base de 1.518 euros brutos por mês.

O último relatório do Conselho Nacional de Educação, divulgado em novembro, mostrou que 58% dos mais de 146 mil docentes do ensino pré-escolar ao secundário estão nos primeiros quatro escalões, isto é, ganham até 1.982 euros brutos. E «a grande maioria» dos restantes estão no 5.º, 6.º e 7.º.

Apesar de 15% terem 60 ou mais anos, apenas 0,02% estão no 10.º e último escalão, auferindo o valor máximo de 3.364 euros.

No sentido inverso, os homens mais velhos, abastados e do Sul são os maiores defensores dos juízes, que em agosto de 2019 viram Marcelo Rebelo de Sousa promulgar a revisão do Estatuto dos Magistrados Judiciais, mas alertar para o acentuar da desigualdade de tratamento em relação a outras carreiras.

A nova tabela, cedida pela associação sindical liderada por Manuel Soares, mostra 2.549 euros ilíquidos na categoria de ingresso, a partir de 6.119 euros para um juiz desembargador e coloca no topo um juiz conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça, com 6.229 euros.

Todos recebem um subsídio de compensação que acaba de subir para 875 euros (livre de IRS e pago 14 vezes ao ano) e aos presidentes são ainda pagas despesas de representação até 20%.

Por fim, é também entre os mais velhos e nas classes altas, mas mais a Norte e no Alentejo, que mais se defende que os deputados deviam ganhar melhor.

A remuneração base é de 3.624 euros, mas, consoante os casos, podem ir somando várias parcelas (despesas de representação, ajudas de custo, subsídio de deslocação, etc.) até atingirem um montante líquido superior a cinco mil euros.

20tm06e
04 de Fevereiro de 2020
2006Pub3f20tm06e

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 31.03.2020

Financiamento do SNS «continua a ser insuficiente», diz TC

 O financiamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) «continua a ser insuficiente, suscitando um esfo...

por Teresa Mendes | 31.03.2020

 «Não há só Covid no Serviço Nacional de Saúde»

 A ministra da Saúde disse esta segunda-feira que, desde início e até meados de março, a procura nas...

por Teresa Mendes | 31.03.2020

Já são mais de 200 os médicos infetados com Covid-19 em Portugal

O secretário de Estado da Saúde adiantou esta segunda-feira que há 853 profissionais de saúde, em Po...

por Teresa Mendes | 30.03.2020

Pedido o reforço dos meios de proteção individual, dos testes e das condiçõ...

Oitenta profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros e administradores hospitalares, pediram e...

por Teresa Mendes | 30.03.2020

Covid-19: Investigadores continuam sem acesso aos dados anonimizados em Por...

O Conselho de Escolas Médicas Portuguesas (CEMP) alerta que, apesar de o primeiro-ministro ter anunc...

por Teresa Mendes | 30.03.2020

 Ensaios clínicos: Infarmed recomenda suspensão de recrutamento em caso de...

Tendo em conta o contexto atual, o Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.