Utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44%

por Teresa Mendes | foto de "DR" INFARMED | 17.02.2020

Despesa do SNS com medicamentos duplicou em 10 anos
A utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44% entre 2009 e 2018. O consumo cresceu de modo mais significativo na classe das insulinas (+72%), «o que pode significar que existem mais diabéticos tipo 2 a ter necessidade de insulinoterapia», destaca um estudo do Infarmed.

Já no que se refere à utilização de antidiabéticos não insulínicos, a utilização aumentou em 39% entre 2009 e 2018, revelam os dados, agora publicados na edição mais recente do boletim «Infarmed Notícias», que analisaram a evolução da despesa e da utilização com medicamentos antidiabéticos no Serviço Nacional de Saúde (SNS) entre 2009 e 2018. 

A investigação salienta que com a introdução de novas classes terapêuticas de antidiabéticos não insulínicos «observaram-se algumas alterações no padrão de prescrição», nomeadamente um «aumento muito significativo de inibidores das DPP 4, isolados ou em associação fixa desde 2009». Já em 2014, «observa-se um aumento da utilização de inibidores SGLT 2». 

Os dados refletem também «um aumento da prescrição e utilização dos análogos GLP-1 e, ao invés, observa-se uma estabilização da utilização de metformina, o que não seria esperado considerando que é recomendada como 1.ª linha na abordagem farmacológica da DM tipo 2, quer nas guidelines nacionais quer nas internacionais», observam as autoras Cláudia Furtado e Elisabete Fernandes, da Direção de Informação e Planeamento Estratégico do Infarmed.

A utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44% entre 2009 e 2018. O consumo cresceu de modo mais significativo na classe das insulinas 

Também os encargos para o SNS aumentaram, passando de 137,5 milhões de euros em 2009 para 291 milhões de euros em 2018, «o que corresponde a cerca de 23% dos encargos do SNS com medicamentos dispensados em farmácia comunitária», lê-se no estudo.

Quanto às insulinas, o «aumento da despesa foi também significativo, passando de 35 milhões de euros em 2009 para 70 milhões de euros em 2018, duplicando assim o valor dos encargos do SNS». 

Segundo as autoras, «os antidiabéticos já representam 23% os encargos do SNS com medicamentos dispensados em farmácia comunitária».

Recorde-se que a diabetes afeta cerca de 10% da população portuguesa, entre os 25 e os 74 anos.

20tm08b
17 de Fevereiro de 2020
2008Pub2f20tm08b

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 27.03.2020

 Ordens da saúde pedem ao primeiro-ministro reforço da proteção dos profiss...

As ordens dos Médicos, dos Farmacêuticos e dos Enfermeiros enviaram esta quarta-feira uma carta aber...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

Conselho de Escolas Médicas Portuguesas defende realização maciça de testes

O Conselho de Escolas Médicas Portuguesas (CEMP) defende o uso generalizado de máscaras pela comunid...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

ARSLVT abre 35 áreas dedicadas à Covid-19 nos cuidados saúde primários

Atendendo ao alargamento progressivo da expressão geográfica da pandemia Covid-19 em Portugal, e ten...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

Apifarma cria linha de apoio financeiro para profissionais de saúde

A Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma), em articulação com a Ordem dos Médicos...

por Teresa Mendes | 26.03.2020

 Internos de MGF pedem «suspensão de todos os estágios e formações hospital...

Os internos de Medicina Geral e Familiar (MGF) pedem, em comunicado conjunto das associações e comis...

por Teresa Mendes | 26.03.2020

 «Há outras vidas a salvar», alerta Carlos Cortes

Devido ao foco na pandemia por Covid-19, os doentes oncológicos «estão a ficar para trás» e a ativid...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.