FEPODABES apela à doação de sangue

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 20.03.2020

IPST está a sofrer «uma forte redução no número de dadores»
A Federação Portuguesa dos Dadores Benévolos de Sangue (FEPODABES) lançou esta quinta-feira um apelo a todas as pessoas que habitualmente doam sangue para que «não falhem» durante estes tempos de contenção social que a pandemia do covid-19 está a impor. 

A Federação salienta que o Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) está a sofrer «uma forte redução no número de dadores» devido ao surto, tendo avançado para o nível amarelo de alerta.

«Se se sente bem e já deu sangue há mais de três meses (homens) ou quatro meses (mulheres) dirija-se a uma sessão de colheita de sangue para fazer a sua dádiva. Porque continuam a existir doentes e acidentados a precisar de transfusões», alerta Alberto Mota, presidente da FEPODABES.

A Associação informa que o risco de transmissão do novo coronavírus através do sangue é atualmente desconhecido, não havendo, contudo, evidências da sua transmissão.

A Federação Portuguesa dos Dadores Benévolos de Sangue (FEPODABES) lançou esta quinta-feira um apelo a todas as pessoas que habitualmente doam sangue para que «não falhem» durante estes tempos de contenção social que a pandemia do covid-19 está a impor

Ainda assim, «não parece haver razões para alarme, dado que, até agora, não foi reportado nenhum caso de transmissão de vírus respiratórios por transfusão ou transplantação, e as medidas adotadas para a elegibilidade dos dadores de sangue impedem a dádiva de pessoas com manifestações clínicas de infeção respiratória ou febre», lê-se no comunicado.

Nesse sentido, a FEPODABES apela a todos que continuem mobilizados para salvar vidas. «A dádiva de sangue é segura e os serviços que estão a fazer as colheitas de sangue cumprem todos os requisitos de segurança exigidos pela Direção-Geral da Saúde.
Com a colaboração de todos vamos conseguir que a normalidade volte a imperar», reforça Alberto Mota.

O Instituto Português do Sangue e da Transplantação está neste momento no nível amarelo de alerta, assumindo uma redução na reserva estratégica nacional de sangue, acompanhada de «uma diminuição de 22% no número de colheitas realizadas».
No entanto, o organismo público garantiu que as necessidades imediatas estão para já asseguradas.

Recorde-se que a reserva estratégica nacional de sangue contempla quatro níveis de alerta no seu plano de contingência: verde, amarelo, laranja e vermelho, sendo este último o mais grave ativado quando as reservas do país não forem além de três dias.

Teresa Mendes

Referências:
http://www.fepodabes.pt/
http://ipst.pt/

20tm12s
20 de Janeiro de 2020
2012Pub6f20tm12s
    
Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 26.05.2020

Covid-19: Hospitais de campanha ficam isentos do pagamento da taxa à ERS

O Governo já decidiu: Os hospitais de campanha, criados no âmbito da resposta à epidemia por SARS-Co...

por Teresa Mendes | 26.05.2020

SPEDM defende inclusão da análise à função tiroideia no rastreio da mulher...

O Grupo de Estudos da Tiroide (GET) da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolism...

25.05.2020

Governo avalia incentivos financeiros para recuperar atos médicos cancelado...

A ministra da Saúde adiantou este sábado que o Governo está a estudar incentivos financeiros que per...

por Teresa Mendes | 25.05.2020

Insa promove estudo sobre saúde mental e bem-estar em tempos de pandemia 

 O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa) está a promover um estudo para avaliar o...

por Teresa Mendes | 25.05.2020

Quase 20% dos doentes com Covid-19 recuperados permanecem internados 

 Quase 20% dos doentes com Covid-19 recuperados permanecem internados por falta de resposta social....

por Teresa Mendes | 22.05.2020

Publicadas as recomendações de cada especialidade para a retoma assistencia...

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) solicitou às direções dos colégios de especialidade a elabora...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.