Médicos especialistas em cuidados intensivos podem não ser suficientes

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 09.04.2020

Solução pode passar por formar especialistas de outras áreas, diz João Gouveia
O recém-nomeado presidente da Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva para a Covid-19 (CARNMIC), João Gouveia, assumiu, esta quarta-feira, que poderão faltar médicos especializados em cuidados intensivos para o número de equipamentos adquiridos. A formação de especialistas de outras áreas pode ser uma solução.

Durante a conferência de Imprensa de atualização da situação pandemia em Portugal, o responsável evidenciou que «a resposta da Medicina Intensiva tem sido excelente». Contudo, alertou para as carências existentes.
 
«Podemos chegar a um ponto em que não temos recursos humanos suficientes para os recursos materiais que estamos a instalar.
À partida, existe uma carência de Medicina Intensiva a nível nacional.

Segundo números de 2016/17, tínhamos 6,4 camas por 100 mil habitantes, menos de metade do que tinha a Itália.

O recém-nomeado presidente da Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva para a Covid-19, João Gouveia, assumiu que poderão faltar médicos especializados em cuidados intensivos para o número de equipamentos adquiridos 

Hoje em dia, a situação é melhor.
Temos mais de 260 médicos especialistas em Medicina Intensiva e temos condições de fazer formação a outros profissionais para, trabalhando sob a coordenação de especialistas em Medicina Intensiva, conseguirem tratar todos os doentes que consigamos colocar em ventilação invasiva», explicou o presidente da CARNMIC.

Para que isso aconteça é preciso, como salientou João Gouveia, haver «coordenação, funcionamento em rede e respeito pela hierarquia» definida.
«Portanto, podemos não ter em número individual de médicos intensivistas suficientes para poder tratar todos os doentes, mas está pensada toda uma estrutura que permite o seu tratamento adequado», reforçou o responsável.

O despacho que criou a CARNMI e nomeou João Gouveia tem a data de 4 de abril e foi publicado esta quarta-feira no Diário da Republica.

De acordo com o diploma, a CARNMI tem como missão «acompanhar e avaliar a implementação dos planos de contingência nacionais, regionais e locais, para as respostas de medicina intensiva à pandemia Covid-19»; «acompanhar e avaliar a implementação da Norma n.º 5/2020, de 26 de março, da Direção-Geral da Saúde» e «propor as medidas necessárias para ultrapassar situações imprevistas no âmbito da resposta em medicina intensiva para a Covid-19».
    
20tm15m
09 de Abril de 2020
2015Pub5f20tm15m
    
Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

22.05.2020

Publicadas as recomendações de cada especialidade para a retoma assistencia...

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) solicitou às direções dos colégios de especialidade a elabora...

22.05.2020

Exportações em saúde crescem 8,8% no primeiro trimestre do ano

As exportações em saúde atingiram os 377 milhões de euros no primeiro trimestre de 2020, o que se tr...

22.05.2020

Ordem dos Médicos contra voos com lotação completa a partir de junho

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) está conta a decisão, que diz ser «política», de voltar a ter...

por Teresa Mendes | 22.05.2020

Médicos e doentes alertam para impactos no agravamento da obesidade

Na véspera do Dia Nacional de Luta Contra a Obesidade, que se assinala amanhã, 23 de maio, especiali...

por Teresa Mendes | 21.05.2020

SICAD promove ciclo de videoconferências

No âmbito do ciclo de videoconferências dedicado a temas atuais na área dos comportamentos aditivos...

21.05.2020

Mais de 3200 profissionais de saúde infetados

Mais de 3200 profissionais de saúde já foram infetados com Covid-19, um terço dos quais são enfermei...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.