Idade do doente não pode ser considerada como único elemento de decisão 

por Teresa Mendes | 15.04.2020

Profissionais querem critérios éticos para priorização de doentes
A esmagadora maioria dos profissionais e investigadores do setor da saúde, incluindo médicos, enfermeiros e psicólogos, consideram que a idade não pode ser considerada como o único elemento de decisão na priorização de doentes Covid-19 em cuidados intensivos.

Este é um dos resultados preliminares de um inquérito realizado na Faculdade de Medicina da Universidade o Porto (FMUP) e no CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, mas que será estendido a todas as Escolas Médicas nacionais, durante os próximos dias.

Coordenado por Rui Nunes (professor da FMUP e especialista em Bioética) e por Altamiro Costa-Pereira (diretor da FMUP), com o apoio de Olga Magalhães (FMUP/CINTESIS) o estudo, «realizado em tempo recorde», tem como objetivo «dar resposta a uma série de perguntas que já foram colocadas noutros países, como Espanha e Itália, face à desproporção de doentes graves e muito graves com COVID-19 a necessitarem de cuidados intensivos face aos meios disponíveis para os tratar», salienta um comunicado.

Dos mais de 350 profissionais e investigadores de saúde que responderam ao inquérito online, 91% consideram que, para além dos critérios clínicos, «devem existir critérios éticos universais, explícitos, transparentes e consensualizados para admissão em cuidados intensivos».
Apenas 6% não veem necessidade da sua existência e 3% não têm opinião sobre o tema.

 Face à impossibilidade de admitir em simultâneo todos os doentes com Covid-19, cerca de 80% dos profissionais entendem que, «deve valorizar-se a maximização da sobrevivência até à alta hospitalar» 

Por outro lado, quase 90% dos inquiridos concorda também que a decisão deve ser partilhada entre a equipa de saúde, o doente e a família, no sentido de promover «uma comunicação franca e transparente». Apenas 8% dizem que não e 3% não têm uma opinião formada.

Quanto aos critérios que deverão presidir à decisão de internar um determinado doente com Covid-19 em detrimento de outro, a grande maioria entende que «a idade não deve ser decisiva».

Feitas as contas, 93% dos profissionais concordam que a idade não pode ser considerada como o único elemento de decisão. Apenas 4% dos inquiridos acha que a idade serve para decidir quais os doentes prioritários, sendo que 3% confessam não ter opinião.

Face à impossibilidade de admitir em simultâneo todos os doentes com Covid-19, cerca de 80% dos profissionais entendem que, «deve valorizar-se a maximização da sobrevivência até à alta hospitalar».

O mesmo é dizer que a maioria dos profissionais admite que, se for necessário escolher, deve ser dada prioridade a doentes com mais hipóteses de sobreviverem.
Apenas 7% discordam e 13% não têm opinião.

O consenso não é tão grande no que respeita a outro critério possível na priorização de doentes a admitir em cuidados intensivos: o número de anos salvados. Cerca de 66% dos profissionais entendem que se deve valorizar «a maximização do número de anos de vida salvados», enquanto 18% dizem que não e 16% admitem não ter opinião.

As opiniões dividem-se ainda mais no que se refere à aplicação do chamado «princípio do custo de oportunidade», evitando como regra absoluta o critério «primeiro a chegar primeiro a admitir».

Ao todo, 56% dos inquiridos respondem que sim, que se deve ter em conta o «custo de oportunidade», o que implica que nem sempre a admissão deve ser feita por ordem de chegada.

Porém, 27% discordam e 17% não têm opinião.
Neste inquérito, realizado entre os dias 6 e 11 de abril, 51% dos inquiridos são médicos, sendo que 73% têm menos de 50 anos de idade.
    
20tm16j
15 de Abril de 2020
2016Pub4f20tm16j
    
Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

29.07.2020

Quer o Senhor Ministro formar mais médicos sem as condições adequadas que g...

A plataforma para a formação médica em Portugal  manifesta o seu desagrado e discordância com as dec...

por Zózimo Zorrinho | 16.07.2020

COVID-19: Testes revelam presença de anticorpos em apenas 1,5% dos membros...

«A testagem de 2571 membros da comunidade académica da Universidade de Lisboa (ULisboa), mostrou a p...

14.07.2020

«Cardiologia»,  uma colecção para profissionais de saúde

«Cardiologia»,  é o título genérico de uma colecção para profissionais de saúde, lançada na próxima...

por Zózimo Zorrinho | 13.07.2020

Recomendação da vacinação antipneumocócica pela SPEDM

«Foi com enorme satisfação que o Movimento Doentes Pela Vacinação (MOVA) recebeu a notícia da recome...

por Zózimo Zorrinho | 02.07.2020

Filme «Saúde Digestiva by SPG»

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) está a divulgar o filme «Saúde Digestiva by SPG».<b...

por Teresa Mendes | 30.06.2020

Miguel Pavão é o novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas 

 Miguel Pavão é novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), sucedendo a Orlando Monteiro d...

por Teresa Mendes | 29.06.2020

Fnam teme colapso dos serviços de saúde durante previsível nova vaga de SAR...

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) está preocupada com a ausência de medidas concretas e urgent...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Portugal adquire dois milhões de vacinas contra a gripe

Portugal já garantiu a aquisição de dois milhões de vacinas contra a gripe, revelou esta quarta-feir...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Médicos de saúde pública defendem contratação «urgente» de mais profissiona...

O presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública (ANMSP) defendeu esta quinta-feira...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.