«Em vez de batas, durante os últimos meses, usámos sacos do lixo»

17.06.2020

Profissionais de saúde em França saem à rua para reclamar melhores condições

 
O abrandar da pandemia da Covid-19 em França não trouxe descanso para os profissionais de saúde, que esta terça-feira se mobilizaram um pouco por todo o país para reclamar melhores condições de trabalho, mais meios e melhores salários.

«Não estamos no fim das nossas forças porque para quem trabalha na saúde, o que se passou com a Covid, faz parte da profissão. É algo normal, eu diria, mas há uma parte humilhante de não nos terem dado os meios necessários para trabalhamos», disse à agência Lusa Patrick Pelloux, médico do Serviço de Urgência do Hospital Necker, em Paris, e presidente da Associação de Médicos de Urgências de França.

De entre os profissionais de saúde que saíram à rua em Paris para uma manifestação junto ao Ministério da Saúde, multiplicaram-se os relatos de falta de máscaras, luvas e a utilização de sacos de lixo como batas nas unidades de cuidados intensivos.

«Precisamos, desde logo, de material. Em vez de batas, durante os últimos meses, usámos sacos do lixo, não tínhamos máscaras, agora não temos luvas. Chegou uma altura no nosso hospital em que nem sacos para pôr os mortos tínhamos», relataram à Lusa Emanuelle e Laura, enfermeiras no hospital de Juvisy-sur-Orge, na região parisiense.

«Não estamos no fim das nossas forças porque para quem trabalha na saúde, o que se passou com a Covid, faz parte da profissão. É algo normal, eu diria, mas há uma parte humilhante de não nos terem dado os meios necessários para trabalhamos», disse à agência Lusa Patrick Pelloux

A falta de investimento na Saúde, mesmo depois de várias promessas de apresentação de um plano para os hospitais públicos durante a pandemia de Covid-19 por parte do Governo, trouxe milhares de médicos, enfermeiros e outras profissões do sector à rua.
«As palavras são bonitas, mas nós queremos atos e queremos dinheiro.

O Governo dá muito dinheiro às empresas para as ajudar neste período de crise, mas para o hospital que está doente há anos, não há nada», sublinhou Philippe Martinez, líder da CGT, uma das maiores centrais sindicais em França.

Em França, cerca de 30% dos enfermeiros abandonam a profissão nos primeiros cinco anos de carreira devido aos baixos salários, ao desgaste físico e à falta de progressão.

Na região parisiense, um dos principais motivos é mesmo a falta de meios para viver numa das cidades mais caras do Mundo, já que um enfermeiro em início de carreira no hospital público ganha cerca de 1700 euros e alugar uma casa pode chegar aos mil euros.

«Mais dinheiro para o hospital» e «Demissão» para Olivier Véran, ministro da Saúde francês, foram as palavras de ordem mais ouvidas neste protesto que poderá vir a transformar-se agora numa nova jornada de mobilização geral.

«Queremos claro uma grande greve, mas não só dos hospitais. Há tantos problemas em todo o lado que precisamos vir para a rua o mais rápido possível», defendeu Martinez.
No entanto, os profissionais de saúde têm as suas reticências.

«Nós não podemos fazer greve. Se fizermos, as pessoas morrem. Além disso, até para estarmos nesta manifestação tirámos dias de férias e outros colegas vieram porque fizeram porque fizeram o turno da noite», descreveram Laura e Emanuelle.

Uma dedicação que só é possível, segundo Patrick Pelloux, neto de emigrantes portugueses, devido aos valores de cidadania de quem trabalha no serviço público. «Somos talvez loucos por continuar a trabalhar no hospital público, mas é algo de que nos orgulhamos, talvez por cidadania e dever republicano e talvez seja por isso que não temos consideração por parte do Governo, porque eles sabem que, apesar de tudo, vamos continuar», concluiu.

20tm25L
17 de Junho de 2020
2025Pub4f20tm25L

Publicado previamente em  www.univadis.pt

E AINDA

29.07.2020

Quer o Senhor Ministro formar mais médicos sem as condições adequadas que g...

A plataforma para a formação médica em Portugal  manifesta o seu desagrado e discordância com as dec...

por Zózimo Zorrinho | 16.07.2020

COVID-19: Testes revelam presença de anticorpos em apenas 1,5% dos membros...

«A testagem de 2571 membros da comunidade académica da Universidade de Lisboa (ULisboa), mostrou a p...

14.07.2020

«Cardiologia»,  uma colecção para profissionais de saúde

«Cardiologia»,  é o título genérico de uma colecção para profissionais de saúde, lançada na próxima...

por Zózimo Zorrinho | 13.07.2020

Recomendação da vacinação antipneumocócica pela SPEDM

«Foi com enorme satisfação que o Movimento Doentes Pela Vacinação (MOVA) recebeu a notícia da recome...

por Zózimo Zorrinho | 13.07.2020

SPMI cria «Prémio Pedro Marques da Silva» 

20zz29a – TM – 2603 c.<br /> <br /> SPMI cria «Prémio Pedro Marques da Silva em Risco Cardiovascul...

por Zózimo Zorrinho | 02.07.2020

Filme «Saúde Digestiva by SPG»

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) está a divulgar o filme «Saúde Digestiva by SPG».<b...

por Teresa Mendes | 30.06.2020

Miguel Pavão é o novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas 

 Miguel Pavão é novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), sucedendo a Orlando Monteiro d...

por Teresa Mendes | 29.06.2020

Fnam teme colapso dos serviços de saúde durante previsível nova vaga de SAR...

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) está preocupada com a ausência de medidas concretas e urgent...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Portugal adquire dois milhões de vacinas contra a gripe

Portugal já garantiu a aquisição de dois milhões de vacinas contra a gripe, revelou esta quarta-feir...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.