Estudo mostra em humanos como as células adiposas humanas são afetadas pela idade 

por Teresa Mendes | 29.06.2020

Investigação publicada na revista Cell Metabolism 

 
O conhecimento da forma como o tecido adiposo humano é afetado pela idade tem sido definido por numerosos estudos, mas todos em ratinhos até então.

Agora, pela primeira vez, um grupo de investigadores do Karolinska Institutet, realizou um estudo prospectivo em seres humanos que fornece novas ideias sobre como as células de gordura reduzem o metabolismo lipídico com a idade.
À medida que envelhecemos acontecem muitas mudanças nos nossos órgãos, que afetam a função fisiológica.

Estudos anteriores em ratos mostraram que como consequência da idade, os macrófagos no tecido adiposo (gordura) começam a degradar a noradrenalina, uma hormona que estimula a lipólise (a quebra dos lípidos).

Há muito se pensa que os humanos têm um mecanismo semelhante, contudo, este novo estudo, publicado no dia 25 de junho, na revista Cell Metabolism, mostra que as alterações induzidas pela idade no metabolismo da gordura humana funcionam de forma diferente.

Em vez de macrófagos, que são um tipo de célula imunitária, são as próprias células adiposas que degradam a noradrenalina com a idade.

«Ficamos surpreendidos ao verificar essa diferença entre animais e humanos», refere Mikael Rydén, consultor, professor de investigação clínica e experimental de tecido adiposo no Karolinska Institutet e um dos principais autores do artigo.
Bases lançada há muitos anos

As bases para esta investigação foram lançadas há muitos anos, com a realização de um estudo de intervenção dietética em mulheres com idades entre 30 e 35 anos, tendo sido recolhidas amostras de gordura antes, durante e após a dieta. Agora, mais de 13 anos após a colheita das primeiras amostras, as mesmas mulheres foram recrutadas para um estudo de acompanhamento.

«As nossas descobertas fornecem as primeiras informações sobre as alterações no tecido adiposo que são controladas pela idade biológica em humanos», explica Rydén.
«O que descobrimos é que a lipólise no tecido adiposo diminui com o tempo.

Essas mudanças também parecem ser independentes da menopausa ou gravidez.

Esta são simplesmente o resultado do envelhecimento», destaca o investigador num comunicado do Karolinska Institutet.

Redução da lipólise pode contribuir para o aumento de peso

Segundo os autores, esta redução da lipólise pode contribuir para o aumento de peso e a acumulação de gordura noutros tecidos.

«A aterosclerose pode ser o resultado desse processo, por exemplo, bem como alterações na capacidade do corpo de lidar com o frio e a fome», exemplificam.

Os autores consideram que os resultados do estudo «também são interessantes do ponto de vista da saúde pública devido às descobertas relativas à obesidade - um problema crescente que deixa as pessoas suscetíveis a muitas doenças».

«Pensou-se que a célula adiposa era bastante inativa, mas suspeitamos que esta esteja ativa e que controla muito mais do que se pensava», diz por sua vez Niklas Mejhert, coautor do artigo.

«Se conseguirmos regular a acumulação de gordura de uma forma mais controlada, isso poderá trazer enormes vantagens», considera.

Mais estudos celulares

Os resultados do estudo, que explicam por que o tecido adiposo se torna menos eficaz e como a lipólise diminui com a idade, interessam, nomeadamente, a todos os que estão a tentar encontrar tratamentos futuros capazes de melhorar a função do tecido adiposo.

«Agora, vamos examinar como as diferentes células do tecido adiposo são afetadas pela idade», continua Rydén, um «aspeto particularmente interessante quando se trata de células-tronco, que têm a capacidade única e importante de se renovar e reparar lesões».

O estudo, intitulado «Age-Induced Reduction in Human Lipolysis: A Potential Role for Adipocyte Noradrenaline Degradation», pode ser consultado na íntegra aqui.

20tm27d
29 de Junho de 2020
2027Pub2f20tm27d

Publicado previamente em  www.univadis.pt

E AINDA

29.07.2020

Quer o Senhor Ministro formar mais médicos sem as condições adequadas que g...

A plataforma para a formação médica em Portugal  manifesta o seu desagrado e discordância com as dec...

14.07.2020

«Cardiologia»,  uma colecção para profissionais de saúde

«Cardiologia»,  é o título genérico de uma colecção para profissionais de saúde, lançada na próxima...

por Zózimo Zorrinho | 13.07.2020

Recomendação da vacinação antipneumocócica pela SPEDM

«Foi com enorme satisfação que o Movimento Doentes Pela Vacinação (MOVA) recebeu a notícia da recome...

por Zózimo Zorrinho | 13.07.2020

SPMI cria «Prémio Pedro Marques da Silva» 

20zz29a – TM – 2603 c.<br /> <br /> SPMI cria «Prémio Pedro Marques da Silva em Risco Cardiovascul...

por Zózimo Zorrinho | 02.07.2020

Filme «Saúde Digestiva by SPG»

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) está a divulgar o filme «Saúde Digestiva by SPG».<b...

por Teresa Mendes | 30.06.2020

Miguel Pavão é o novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas 

 Miguel Pavão é novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), sucedendo a Orlando Monteiro d...

por Teresa Mendes | 29.06.2020

Fnam teme colapso dos serviços de saúde durante previsível nova vaga de SAR...

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) está preocupada com a ausência de medidas concretas e urgent...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Portugal adquire dois milhões de vacinas contra a gripe

Portugal já garantiu a aquisição de dois milhões de vacinas contra a gripe, revelou esta quarta-feir...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Médicos de saúde pública defendem contratação «urgente» de mais profissiona...

O presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública (ANMSP) defendeu esta quinta-feira...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.