Patrícia Canhão| 22.07.2016

Manter o cérebro saudável

Opinião de Patrícia Canhão 

Hoje, dia 22 de Julho celebra-se o Dia Mundial do Cérebro, instituído pela World Federation of Neurology (WFN), em 2014. Desde então a WFN seleciona anualmente um tema que considera ser oportuno divulgar e aumentar a sua visibilidade.
O tema deste ano, “Brain Health and the Ageing Population”, incide sobre o envelhecimento e o cérebro saudável.

Existem atualmente mais de 800 milhões de pessoas com idade superior a 60 anos (cerca de 12% da população mundial). Com o aumento da longevidade, e de acordo com as projeções das Nações Unidas, estima-se que em 2050 mais de 2 mil milhões de pessoas terá idade superior a 60 anos (20% da população mundial), e o número de pessoas com 80 e mais anos de idade poderá atingir quase 400 milhões. 

Com a idade, aumenta a prevalência de doenças neurológicas, incluindo o acidente vascular cerebral (AVC), a demência e a doença de Parkinson. Estima-se que cerca de 10 a 20% das pessoas entre os 60 e 80 anos sofrem de uma ou mais doenças neurológicas. E que mais de 30% das pessoas com mais de 80 anos sofrem pelo menos de uma doença neurológica. 

Estas doenças vão comprometer a função cerebral, determinar maior incapacidade ou dependência e reduzir a qualidade de vida dos próprios e seus familiares. Sensibilização global O Dia Mundial do Cérebro pretende este ano ter um efeito de sensibilização global para as doenças neurológicas que acompanham o envelhecimento.

Pretende-se alertar para a importância de reconhecer e tratar as doenças neurológicas, que são tão frequentes na população idosa, e que por vezes são subdiagnosticadas, insuficientemente tratadas e que tantas vezes são alvo de financiamentos insuficientes, seja na sua prevenção, tratamento e investigação. 

Também neste Dia Mundial do Cérebro se vai difundir a ideia de que é possível prevenir al

Patrícia Canhão

Neurologista do Hospital de Santa Maria (CHLN); Vice-Presidente da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral

gumas das doenças neurológicas que afetam os idosos, e que em todas as idades se devem promover estilos de vida que mantenham o “Cérebro Saudável”.
Ter um “Cérebro Saudável” é um dos requisitos essenciais para o bem-estar físico, económico e social dos indivíduos.

Doença e prevenção

Entre as várias doenças neurológicas que aumentam de prevalência com o envelhecimento salienta-se o AVC, que é a doença neurológica mais comum na população mundial neste grupo etário.
Cerca de 75% dos casos ocorrem em pessoas com mais de 65 anos. Representa uma das principais causas de mortalidade e é a primeira causa de incapacidade no mundo. 

Em Portugal, é pertinente falar do AVC neste Dia Mundial do Cérebro por várias razões.
Em primeiro lugar, porque o AVC é a primeira causa de morte e incapacidade em Portugal. Em segundo lugar, porque existe possibilidade de tratar os doentes com AVC, desde que cheguem rapidamente aos locais adequados para o tratamento.

Para isso, os doentes ou acompanhantes, deverão reconhecer os sinais de AVC e solicitar ajuda imediata – chamada para o 112 – para serem orientados de forma emergente para o centro de tratamento apropriado. Esta fase do tratamento agudo do AVC tem que ser cada vez mais otimizada. E um dos principais modos de se ter sucesso passa por um maior reconhecimento dos sinais mais frequentes do AVC – assimetria da face, alteração da fala, diminuição de força num braço (3F’s). 

Estima-se que cerca de 10 a 20% das pessoas entre os 60 e 80 anos sofrem de uma ou mais doenças neurológicas. E que mais de 30% das pessoas com mais de 80 anos sofrem pelo menos de uma doença neurológica 

Entre as várias doenças neurológicas que aumentam de prevalência com o envelhecimento salienta-se o AVC

A outra razão de se falar em AVC neste dia é precisamente porque esta doença catastrófica pode ser prevenível.
E todas as medidas de prevenção devem ser iniciadas nas pessoas, mesmo ainda quando são jovens.
São bem conhecidos os seus fatores de risco: a hipertensão arterial, diabetes, dislipidémia, problemas cardíacos como a fibrilhação auricular, tabagismo, obesidade e sedentarismo. Muitos destes fatores de risco são modificáveis e tratáveis.

Controlar estes fatores de risco previne o AVC. Sabemos que a doença vascular cerebral pode condicionar também o desenvolvimento de alguns tipos de demência, e como tal, estaremos também a prevenir declínios cognitivos futuros.

Por isso, em muitos locais no mundo vão ser reforçadas as medidas simples que se devem adotar para manter um Cérebro Saudável no indivíduo em envelhecimento, e que previnam algumas das doenças neurológicas mais frequentes no idoso.

 Sugestões

Ficam aqui sugestões que estão a ser difundidas neste dia para manter um cérebro saudável: 1) manter-se mental e socialmente ativo; 2) manter atividade física regular; 3) adotar uma dieta saudável; 4) controlar o peso, a pressão arterial, o colesterol e o açúcar no sangue; 5) não fumar; 6) evitar lesões cerebrais traumáticas (exemplo, usar cintos de segurança, capacetes).

Pode prevenir-se ou atrasar a lesão cerebral.
E, se começarmos a atuar cedo na vida, podemos alcançar melhor qualidade de vida uns anos mais tarde.


16JMA29A
22 de Julho de 2016

1629Pub6f16JMA29A

-------
Artigo de:  Prof.ª Doutora Patrícia Canhão
(Neurologista do Hospital de Santa Maria (CHLN) e Vice-Presidente da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral)


NR: Subtítulos e destaques da responsabilidade da Redacção
A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.