João Brum Silveira| 29.05.2018

Deixar de fumar diminui risco de doença coronária

 Opinião de João Brum Silveira

O fumo do tabaco contém mais de 7000 produtos químicos que combinados predispõem tanto os fumadores ativos de tabaco como os fumadores passivos para a formação de aterosclerose ou estreitamento das artérias.

Este estreitamento acaba por dificultar a correta passagem de sangue para o coração, o que provoca uma diminuição dos níveis de oxigénio e nutrientes às células do músculo cardíaco.

A doença coronária pode manifestar-se por uma dor torácica passageira (sensação de aperto, queimadura ou opressão no peito, por baixo do esterno), denominada de angina de peito, ou por uma situação mais grave, o enfarte de miocárdio.

No caso do enfarte, os sintomas mais comuns, para os quais as pessoas devem estar despertas, são a dor no peito, por vezes com irradiação para o braço esquerdo, costas e pescoço, acompanhada de suores, náuseas, vómitos, falta de ar e ansiedade.

Os riscos cardiovasculares atribuíveis ao tabagismo aumentam com a quantidade de cigarros que uma pessoa fuma assim como o número de anos em que já é fumadora.

Na verdade, fumar apenas um cigarro por dia implica um acréscimo de risco de desenvolvimento de doença coronária.  De acordo com a Organização Mundial da Saúde o tabagismo é uma das maiores ameaças à saúde pública, matando mais de 7 milhões de pessoas por ano.

Mais de 6 milhões dessas mortes são o resultado do uso direto do tabaco, enquanto cerca de 890.000 são o resultado de estar exposto ao fumo passivo. Estima-se que o uso do tabaco e a exposição ao fumo passivo contribuem para aproximadamente 12% de todas as mortes por doenças cardíacas.

Para evitar a doença coronária é importar adotar estilos de vida saudáveis: não fumar; reduzir o colesterol; controlar a tensão arterial e a diabetes; fazer uma alimentação saudável; praticar exercício f

João Brum Silveira

Médico, cardiologista; presidente da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC)

ísico; vigiar o peso e evitar o stress. 
----------------------
*​Médico, cardiologista, Presidente da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular
------------------------
A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC), uma entidade sem fins lucrativos, tem por finalidade o estudo, investigação e promoção de atividades científicas no âmbito dos aspetos médicos, cirúrgicos, tecnológicos e organizacionais da Intervenção Cardiovascular.

Para mais informações consulte: www.apic.pt

------------------

1822Pub4f18JMA22C

DA MESMA VOZ

por João Brum Silveira | 21.09.2017

Valorização imediata dos sintomas pode evitar mort...

Artigo de Opinião de João Brum Silveira

O enfarte agudo do miocárdio, ou ataque cardí...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.