Telo Faria| 30.11.2018

Doença VIH: mais vida com qualidade

Artigo  de Telo Faria

A Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, comumente conhecida como SIDA, é uma doença provocada pela transmissão do vírus da imunodeficiência humana (VIH), que infeta o sistema imunitário da pessoa.

Este agente é responsável por destruir as células defensoras do organismo, que ao longo do tempo vão perdendo a capacidade de reposição, deixando o indivíduo desprotegido e mais propenso a contrair outras infeções e doenças mais graves.

Esta doença carateriza-se pelo seu desenvolvimento tardio e sintomas silenciosos, fatores que dificultam a sua detenção.

Numa primeira fase, em que o organismo tenta combater o vírus que se vai multiplicando de forma exponencial, o paciente é considerado seropositivo.

Passados, em média, oito a dez anos, dependendo de pessoa para pessoa, começam a surgir as primeiras manifestações indicadoras da presença de SIDA, nomeadamente o surgimento de infeções e tumores que podem levar a complicações mais graves ou até mesmo à morte.

A transmissão do VIH é feita quando sangue, sémen, fluídos vaginais ou leite materno provenientes de uma pessoa infetada entram diretamente em contacto com terceiros.

Em termos práticos, este vírus é transmitido através daquilo a que consideramos comportamentos de risco.

São eles a prática de contactos sexuais sem a utilização de preservativo masculino e/ou feminino; a partilha de seringas utilizadas para a injeção de drogas; e o contacto direto com sangue infetado, principalmente na utilização de objetos de outras pessoas, tais como lâminas ou máquinas de barbear/depilar, agulhas de tatuagem e de piercing, escovas de dentes, etc.

Importa ainda referir a possibilidade de o vírus da imunodeficiência humana ser transmitido durante a gravidez, bem como no parto ou até no processo de amamentação.
Contudo

Telo Faria

Médico, especialista em Medicina Interna. Coordenador do NEDVIH da SPMI

, existem tratamentos destinados à redução deste risco.


Sendo a SIDA uma doença crónica que afeta as defesas do nosso organismo, esta acaba por ter um impacto muito negativo nos diversos órgãos ou sistemas do corpo humano: desde alterações cognitivas às demências, da aterosclerose ao enfarte agudo do miocárdio, à doença renal crónica, entre muitos mais.

E é aqui que o internista tem um papel crucial, uma vez que consegue ver o doente como um todo e é capaz de abordar a doença nos seus diversos aspetos e estádios, perante o envolvimento de qualquer órgão, e utilizar as múltiplas terapêuticas disponíveis.

Atualmente, em Portugal, existem vários serviços, unidades e consultas que se dedicam ao acompanhamento de doente com VIH, e que são formados por equipas multidisciplinares, onde estão internistas, infeciologistas, pediatras e alguns médicos de outras especialidades.

Ao nível do tratamento, apesar de ainda não existir uma cura para a SIDA, têm havido grandes avanços terapêuticos nos últimos anos.

Assim, temos medicação potente, eficaz, com diminutos efeitos secundários e de fácil posologia, na maior parte das situações com um só comprimido diário, permitindo uma qualidade de vida e uma longevidade do indivíduo, praticamente sobreponível ao não seropositivo. 

Segundo o relatório “Infeção VIH e SIDA | Desafios e Estratégias 2018” da Direção-Geral de Saúde, que apresenta dados do ano de 2016, 91,70 por cento das pessoas infetadas pelo vírus da imunodeficiência humana estão diagnosticadas, das quais 86,80 por cento estão a ser tratadas.

Isto só prova que tanto os investigadores, como os profissionais de saúde, assim como as instâncias governamentais e outras instituições têm trabalhado no combate a esta doença, seja através da descoberta de novos tratamentos, ou até mesmo da adoção de novas estratégias de rastreio e políticas de suporte ao doente (o acesso ao tratamento da SIDA é gratuito).

Ainda assim, é indispensável continuar a apostar na consciencialização da população para a diagnóstico e prevenção de uma doença que apresenta 1000 novos casos todos os anos.

No caso do diagnóstico, este deve ser feito o mais precocemente possível, não só para garantir uma intervenção clínica mais eficaz, assim como para reduzir o risco de contaminar outros indivíduos.

O diagnóstico pode ser feito por prescrição de um médico de família ou médico assistente, ou então pode optar-se por se realizar num Centro de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH/SIDA (CAD).

Como comportamentos preventivos, recomenda-se a utilização de preservativo durante as relações sexuais; a não reutilização ou partilha de seringas, no caso de o indivíduo ser utilizador de drogas injetáveis; e a realização de um teste para a infeção do VIH, caso suspeite que tenha sido infetado.


*Médico especialista de Medicina Interna. oordenador do NEDVIH, da SPMI

1848Pub6f18jma48a


----------------
Sobre a SPMI
A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) é uma associação científica, fundada em 1951. Tem como finalidade promover o desenvolvimento da Medicina Interna ao serviço da saúde da população portuguesa. Promove ainda a investigação e o estudo de problemas científicos, bem como a organização de atividades educacionais, no âmbito da formação contínua, dirigidas aos médicos e à população em geral, no campo da Medicina Interna. Para mais informações consulte https://www.spmi.pt/


Sobre o NEDVIH
O Núcleo de Estudos da Doença VIH (NEDVIH) da Sociedade Portuguesa da Medicina Interna (SPMI) centra a sua atuação na investigação, formação e consciencialização de profissionais de saúde e da população no âmbito da doença VIH. Este grupo é constituído por internistas associados da SPMI, que seguem e tratam estes doentes, em consultas de especialidade, nos principais hospitais do país.
A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.