Cláudia Matos| 07.03.2019

Tabaco: Uma importante ameaça à saúde das mulheres

Artigo de Cláudia Matos

Nesta data em que celebramos o Dia Internacional da Mulher é importante destacar a epidemia do tabaco como uma importante ameaça à saúde feminina, constituindo o principal fator de risco evitável de morte prematura e doença nas mulheres adultas. 

O número de mulheres a fumar no Mundo está a aumentar, constituindo atualmente 20% de todos os fumadores e sendo responsável por 6% das mortes no sexo feminino a nível mundial.
Esta tendência também se verifica em Portugal: Em 2017, de acordo com dados da Direção Geral de Saúde, 24.8% das mulheres entre os 15 e os 64 anos de idade referiram ter consumido tabaco no último mês (em comparação às 17.6% observadas em 2001). 

São vários os fatores que vão contribuir para o aumento do número de fumadoras nas próximas décadas: o aumento da própria população feminina bem como do seu poder de compra, o desaparecimento progressivo das restrições culturais e sociais, serem raros os programas de educação para a saúde e cessação tabágica específicos para mulheres e a existência de campanhas dirigidas da indústria tabaqueira.

O tabaco tem impacto na saúde da mulher nas suas várias vertentes:  

- Saúde Reprodutiva: Maior risco de infertilidade primária e secundária, dores menstruais e menopausa precoce;

- Saúde Cardiovascular: Risco superior de acidente vascular cerebral, hemorragia cerebral e doença coronária. É importante destacar que a combinação de tabagismo e terapêutica com anticonceptivos orais está associada a maior risco de doença coronária;

- Saúde Respiratória:  Risco aumentado de doença pulmonar obstrutiva crónica e cancro do pulmão;

- Cancro: Risco superior de desenvolver cancro do colo do útero nas mulheres infetadas com vírus do papiloma humano (HPV), leucemia mielóide aguda, cancros da cavidade oral, faringe,

Cláudia Matos

Dr.ª Cláudia Matos Pneumologista, representante da Comissão de Trabalho de Tabagismo da Sociedade Portuguesa de Pneumologia

laringe, esófago, bexiga, pâncreas e rim, bem como uma possível relação com cancro da mama em mulheres na pré-menopausa;

- Densidade Óssea e Risco de Fraturas: Risco aumentado de osteoporose e fratura do colo do fémur;

- Gravidez: Mulheres fumadoras com maior risco de aborto espontâneo, parto prematuro, mal-formação fetal, filhos com baixo peso à nascença ou com graves problemas de saúde;

Existem ainda várias patologias que são mais frequentes nas fumadoras e que podem influenciar a qualidade de vida como a depressão, os cálculos biliares, a úlcera péptica, a doença periodontal e cataratas.
Do ponto de vista estético, o envelhecimento precoce da pele, o aparecimento de manchas nos dentes, escurecimento dos dedos e das unhas e enfraquecimento do cabelo são consequências a ter em conta. 

Além destes aspetos, não podemos esquecer o impacto económico negativo do tabagismo na saúde, ao desviar recursos que deveriam ser utilizados com alimentação ou educação.

Por todas estas razões, o controle do tabagismo tornou-se uma questão crítica da saúde feminina, sendo fundamental não só a promoção de medidas preventivas do início do consumo, como também da cessação tabágica nas mulheres com dependência.

No processo de parar de fumar tem que ser tido em consideração a dificuldade acrescida das mulheres em relação aos homens por uma metabolização mais rápida da nicotina, apresentarem sintomas de privação mais graves, incidência mais elevada de depressão e pelos seus padrões de tabagismo (fumar na resposta ao stress, depressão, afeto negativo).

08 de Março de 2019

1910Pub5f19jma10a

-------------
*Pneumologista, representante da Comissão de Trabalho de Tabagismo da Sociedade Portuguesa de Pneumologia
A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.